Psicologia da síndrome de Estocolmo (explicada)

 Psicologia da síndrome de Estocolmo (explicada)

Thomas Sullivan

A Síndrome de Estocolmo é um fenómeno psicológico intrigante em que os reféns desenvolvem sentimentos positivos pelos seus captores durante o cativeiro. Parece confuso. Afinal, o senso comum diz que devemos odiar aqueles que nos capturam à força e nos ameaçam com violência, certo?

O Síndroma de Estocolmo não faz apenas com que as vítimas gostem dos seus captores. Algumas também simpatizam com os captores, recusam-se a testemunhar contra eles em tribunal e até angariam fundos para a sua defesa legal!

Origens da Síndrome de Estocolmo

O termo Síndrome de Estocolmo foi utilizado pela primeira vez depois de quatro pessoas terem sido feitas reféns num banco em Estocolmo, na Suécia, em 1973. Em poucos dias, as vítimas desenvolveram sentimentos positivos em relação aos seus raptores e instaram a polícia a não atuar.

Disseram que se sentiam mais seguros com os seus raptores e que as suas hipóteses de sobrevivência seriam maiores se fossem deixados sozinhos com os seus raptores sem a intervenção das autoridades.

Mais tarde, quando a polícia acabou por intervir e os libertou, os reféns defenderam os seus raptores e recusaram-se a testemunhar contra eles em tribunal.

Embora o termo Síndrome de Estocolmo tenha sido originalmente utilizado no contexto desta situação de reféns, a sua utilização estendeu-se a situações como raptos e abusos, porque as vítimas destas situações apresentam por vezes padrões de comportamento semelhantes.

A síndrome de Estocolmo como resposta ao stress

Não há dúvida de que a captura forçada ou o abuso é uma experiência stressante que provoca um medo intenso nas vítimas. Nós, humanos, temos uma série de estratégias para lidar com estas situações potencialmente ameaçadoras.

Em primeiro lugar, há a resposta óbvia de luta ou fuga: lute contra eles ou fuja deles e salve a sua vida. No entanto, há situações em que nenhuma destas estratégias de sobrevivência pode ser implementada.

O captor é demasiado poderoso e acorrentou-te, por exemplo. Mas a sobrevivência é da maior importância e, por isso, temos mais truques na manga.

Um desses truques é a resposta de congelamento, em que a vítima permanece imóvel para minimizar a resistência e desencorajar o agressor de se envolver em violência.

Outra resposta é a resposta de susto, em que a vítima se finge de morta, obrigando o agressor a ignorá-la (ver Porque é que as pessoas desmaiam).

A Síndrome de Estocolmo pertence a estas categorias de respostas concebidas para aumentar as hipóteses de sobrevivência em situações de risco de vida, como o rapto e o abuso.

Veja também: Porque é que existem pessoas homossexuais?

Como é que funciona?

Os captores e abusadores exigem frequentemente a obediência das suas vítimas e a obediência é mais provável quando se gosta de alguém. Se as vítimas não obedecerem, as suas hipóteses de acabar mortas aumentam.

Assim, a Síndrome de Estocolmo é uma resposta ao stress e um mecanismo de defesa que a mente humana utiliza para tornar as vítimas mais complacentes com as exigências dos seus captores.1

Psicologia por detrás da síndrome de Estocolmo

O efeito Ben Franklin pode ser, em parte, responsável pela Síndrome de Estocolmo. O efeito afirma que tendemos a gostar daqueles que ajudamos, mesmo que sejam completos estranhos. A mente racionaliza a ajuda ao estranho como "Ajudei-o, devo gostar dele".

A principal diferença no Síndroma de Estocolmo é que as vítimas são forçado A mente pensa: "Estou a obedecer-lhes, devo gostar deles".

O facto de gostarmos deles faz-nos querer cumpri-los e o facto de os cumprirmos obriga-nos a gostar deles.

Há outras forças importantes em jogo.

Normalmente, o captor ameaça a vítima com consequências terríveis, ameaçando-a com violência ou com a morte. A vítima sente-se imediatamente impotente e desamparada.

Começam a pensar na sua morte iminente, perderam tudo, estão no fim da linha.

Neste cenário, a mente da vítima exagera qualquer pequeno ato de bondade ou misericórdia por parte do captor. Há momentos atrás, estavam a ameaçá-la de morte e agora estão a ser misericordiosos. Este efeito de contraste aumenta os pequenos actos de bondade dos captores na mente da vítima.

O resultado é que a vítima fica excessivamente grata ao captor por ser bondoso, alimentá-la, deixá-la viver e não a matar.

O alívio experimentado pelo facto de saber que o captor não a matou e que é capaz de ser misericordioso é enorme para a vítima, de tal modo que esta nega o que aconteceu, esquece a captura forçada e concentra-se no lado bom do captor.

"Eles não nos fizeram nada, afinal não são assim tão maus".

Mais uma vez, esta é uma estratégia de sobrevivência eficaz da mente, porque se as vítimas projectarem de alguma forma esta crença de que os seus captores são bons seres humanos nos captores, estes terão menos probabilidades de matar.

As vítimas querem negar o que aconteceu, porque a captura forçada pode ser uma experiência humilhante. Perguntam aos seus captores porque é que foram capturados, na esperança de encontrarem razões que justifiquem a captura - razões que as convençam de que os captores não são inerentemente maus.

Os captores deviam ter boas razões para fazer o que fizeram. Deviam estar a lutar por alguma causa.

Consequentemente, as vítimas empatizam e identificam-se com as causas dos captores.

Outra coisa que as vítimas fazem é projetar o seu estatuto de vítima nos seus captores, o que lhes acaricia o ego e lhes retira a atenção dos seus próprios problemas, pois concentram-se em como os seus captores são, de facto, as verdadeiras vítimas - vítimas da sociedade, vítimas dos ricos e poderosos, ou o que quer que seja.

Veja também: 8 Sinais de uma relação inadequada entre irmãos

"A sociedade tem sido injusta com eles".

Durante todo este processo, as vítimas acabam por criar um laço com os seus captores.

Raízes evolutivas da Síndrome de Estocolmo

A Síndrome de Estocolmo é uma resposta evoluída que promove a sobrevivência numa situação potencialmente ameaçadora da vida. Vemos uma forma de Síndrome de Estocolmo nos chimpanzés, onde as vítimas de abuso agem de forma submissa para apaziguar os seus agressores.2

Estudos demonstram que as mulheres são mais susceptíveis de desenvolver a Síndrome de Estocolmo.3

Há vários ângulos para compreender este facto.

Em primeiro lugar, as mulheres são mais pró-sociais do que os homens, o que as torna propensas a procurar o que há de bom nas outras pessoas. Em segundo lugar, as mulheres são geralmente mais empáticas do que os homens. Em terceiro lugar, as mulheres consideram a dominância atraente. O captor está numa posição dominante na interação captura-captura.

Há uma razão para muitos filmes terem como tema o facto de as mulheres se apaixonarem pelos seus raptores.

Nos tempos pré-históricos, as mulheres das tribos vizinhas eram frequentemente capturadas e incorporadas na própria tribo dos captores. É provavelmente por isso que a captura de mulheres em guerras tem sido comum ao longo da história (ver Porque é que os humanos vão para a guerra).

Ainda hoje, o rapto de mulheres acontece em algumas culturas onde é visto como um comportamento aceitável. O futuro noivo planeia normalmente um rapto com os seus amigos homens, forçando a mulher raptada a casar. Alguns acreditam mesmo que a lua de mel é uma relíquia desta tradição.

Antigamente, as mulheres que resistiam à captura aumentavam as probabilidades de serem mortas. Numa situação de risco de vida, em que a resistência dificilmente funcionaria, a Síndrome de Estocolmo aumentava as suas hipóteses de sobrevivência.

Quando o autor do assalto falhado de Estocolmo, em 1973, foi questionado sobre o incidente, deu uma resposta bastante hilariante, que capta a essência do que temos estado a discutir até agora:

"A culpa é toda deles (reféns). Eram demasiado complacentes e faziam tudo o que eu lhes pedia. Isso tornava difícil matar. Não havia nada a fazer a não ser conhecerem-se uns aos outros."

Referências

  1. Adorjan, M., Christensen, T., Kelly, B., & Pawluch, D. (2012). Síndrome de Estocolmo como recurso vernacular. The Sociological Quarterly , 53 (3), 454-474.
  2. Cantor, C., & Price, J. (2007). Traumatic entrapment, appeasement and complex post-traumatic stress disorder: evolutionary perspectives of hostage reactions, domestic abuse and the Stockholm syndrome. Australian & New Zealand Journal of Psychiatry , 41 (5), 377-384.
  3. Åse, C. (2015): Narrativas de crise e proteção masculinista: a análise de género da síndrome de Estocolmo original. Revista Internacional Feminista de Política , 17 (4), 595-610.

Thomas Sullivan

Jeremy Cruz é um psicólogo experiente e autor dedicado a desvendar as complexidades da mente humana. Apaixonado por compreender as complexidades do comportamento humano, Jeremy esteve ativamente envolvido em pesquisa e prática por mais de uma década. Ele possui um Ph.D. em Psicologia por uma instituição renomada, onde se especializou em psicologia cognitiva e neuropsicologia.Por meio de sua extensa pesquisa, Jeremy desenvolveu uma visão profunda de vários fenômenos psicológicos, incluindo memória, percepção e processos de tomada de decisão. Sua experiência também se estende ao campo da psicopatologia, com foco no diagnóstico e tratamento de transtornos de saúde mental.A paixão de Jeremy por compartilhar conhecimento o levou a criar seu blog, Understanding the Human Mind. Ao selecionar uma vasta gama de recursos de psicologia, ele pretende fornecer aos leitores informações valiosas sobre as complexidades e nuances do comportamento humano. De artigos instigantes a dicas práticas, Jeremy oferece uma plataforma abrangente para quem busca aprimorar sua compreensão da mente humana.Além de seu blog, Jeremy também dedica seu tempo ao ensino de psicologia em uma importante universidade, alimentando as mentes de aspirantes a psicólogos e pesquisadores. Seu estilo de ensino envolvente e desejo autêntico de inspirar os outros fazem dele um professor altamente respeitado e procurado na área.As contribuições de Jeremy para o mundo da psicologia vão além da academia. Ele publicou vários artigos de pesquisa em revistas conceituadas, apresentando suas descobertas em conferências internacionais e contribuindo para o desenvolvimento da disciplina. Com sua forte dedicação ao avanço de nossa compreensão da mente humana, Jeremy Cruz continua a inspirar e educar leitores, aspirantes a psicólogos e colegas pesquisadores em sua jornada para desvendar as complexidades da mente.