Porque é que os novos amantes continuam a falar ao telefone sem parar

 Porque é que os novos amantes continuam a falar ao telefone sem parar

Thomas Sullivan

"Penso em ti a toda a hora."

"Quero estar sempre contigo."

"Gosto de estar sempre a falar contigo."

Estas são algumas das frases comuns que se ouvem em canções românticas, poemas, filmes e em pessoas apaixonadas na vida real. O amor faz com que as pessoas digam e façam coisas que parecem irracionais ou até mesmo estúpidas.

Porque é que alguém no seu perfeito juízo pensaria em alguém a toda a hora? Por um lado, isso desviaria a energia mental limitada de outras tarefas importantes do dia a dia.

O mesmo se passa quando se passa horas a falar ao telefone, especialmente quando a maior parte da conversa é absolutamente inútil. No entanto, as pessoas apaixonadas tendem a pensar uma na outra a maior parte do tempo e a passar quantidades excessivas de tempo a falar uma com a outra.

No meu artigo 3 Stages of love (3 fases do amor), salientei que o amor é um processo com várias fases, em que experimentamos emoções diferentes em fases diferentes. Este tipo de comportamento, em que estamos tão obcecados com a pessoa que passamos horas a falar com ela, é tipicamente exibido nas fases iniciais de uma relação que está prestes a começar ou não.

Seguem-se as razões pelas quais os novos amantes adoptam este comportamento aparentemente irracional:

Avaliação da personalidade

Avaliar a atratividade física de um potencial parceiro é, normalmente, a primeira tarefa que realizamos para determinar se ele seria ou não um parceiro adequado. Quando se estabelece que a pessoa é fisicamente desejável, a próxima tarefa importante é descobrir se a sua personalidade é compatível com a sua.

Falar durante muito tempo é uma forma de avaliar as características mentais da pessoa. O problema é que as características mentais não são fáceis de avaliar e demoram tempo. Por vezes, as pessoas demoram anos a compreender uma pessoa e, mesmo quando pensam que finalmente a compreenderam, a pessoa pode apresentar um comportamento imprevisível e inesperado.

Uma vez que a avaliação da personalidade é uma tarefa complexa, os novos amantes são motivados a conversar durante horas para se descobrirem um ao outro. Têm curiosidade em conhecer os interesses, gostos, estilos de vida, passatempos, etc. do outro e estão, muitas vezes inconscientemente, a avaliar se esses interesses, gostos, estilos de vida e passatempos são compatíveis com os seus. Mas porquê?

Voltando às fases do amor, ter uma paixoneta por alguém é apenas a fase inicial do amor destinada a fazer com que as pessoas gostem uma da outra o suficiente para as levar a ter relações sexuais.

A próxima fase importante do amor é juntar as duas pessoas o tempo suficiente para que possam ter filhos e criá-los. Assim, a mente passa de uma simples paixão por alguém para um desejo obsessivo de o conhecer melhor.1

Concorrência

Nas espécies que se reproduzem sexualmente, incluindo os seres humanos, há sempre uma espécie de competição para assegurar o companheiro desejável e impedir que outros o roubem. Quando se considera um potencial parceiro suficientemente atraente para passar horas a falar com ele e a tentar conhecê-lo, também é necessário protegê-lo contra os seus concorrentes.

Uma forma de o fazer é passar horas com ele ou a falar com ele. Desta forma, pode aumentar a probabilidade de o seu potencial parceiro não ser roubado. Afinal, se tiver a maior parte do tempo dele, a probabilidade de ele lhe escapar das mãos diminui.

Um aspeto interessante a ter em conta é que, quando as pessoas cortejam vários potenciais parceiros em simultâneo, dedicam frequentemente a maior parte do seu tempo a parceiros que consideram mais valiosos no mercado do acasalamento.

Veja também: O que causa os sonhos estranhos?

Assim, se um homem estiver a cortejar duas mulheres ao mesmo tempo, é provável que invista mais tempo na mulher mais bonita e, quando uma mulher faz o mesmo, é provável que invista mais tempo num homem que seja mais estável financeiramente.

Veja também: O que torna uma pessoa teimosa

Conversas inúteis

Faz sentido que os novos amantes passem horas a perguntar um ao outro sobre os seus gostos e preferências. Mas não é só disso que falam. Muitas vezes, as conversas tornam-se disparatadas e sem sentido, ao ponto de questionarem a sua própria razão e sentirem que estão a perder tempo.

Este tipo de comportamento é explicado por um conceito que o biólogo Zahavi designou por "sinalização dispendiosa".2

A ideia é que, se custar muito enviar um sinal, então é provável que esse sinal seja honesto. Este princípio aplica-se frequentemente no reino animal.

A cauda de um pavão macho é dispendiosa, porque consome muita energia para se formar e torna a ave vulnerável aos predadores. Só um pavão saudável pode dar-se ao luxo de ter uma cauda assim. Por isso, a bela cauda de um pavão macho é um sinal honesto de saúde e, por extensão, de qualidade genética.

Da mesma forma, os machos de caramanchão passam horas a construir ninhos extravagantes para impressionar as fêmeas. Muitas aves têm sinais de cortejo dispendiosos e inúteis - que vão desde o canto à dança - que utilizam para atrair os parceiros.

Veja este vídeo espantoso da BBC Earth que mostra um macho de caramanchão a tentar cortejar uma fêmea:

Quando o seu amante perde tempo a falar consigo durante horas, é um sinal honesto de que está interessado em si. Por que outra razão perderia alguém o seu tempo se não o quisesse muito?

Quanto maior for o seu sacrifício pessoal, mais honesto é o seu desejo de o cortejar. Pode parecer injusto para a pessoa que faz o sacrifício, mas é assim que nós pensamos.

Nos seres humanos, são sobretudo as mulheres que escolhem e, por isso, exigem mais frequentemente aos homens um namoro inútil do que vice-versa.

É por isso que nos poemas, canções e filmes românticos os homens incorrem em custos elevados para si próprios e fazem tudo o que está ao seu alcance para cortejar as mulheres, superando todas as adversidades e, por vezes, ameaças à sua própria vida, para conquistar o coração das mulheres.

Referências

  1. Aron, A., Fisher, H., Mashek, D. J., Strong, G., Li, H., & Brown, L. L. (2005). Sistemas de recompensa, motivação e emoção associados ao amor romântico intenso em fase inicial. Jornal de neurofisiologia , 94 (1), 327-337.
  2. Miller, G. (2011). A mente do acasalamento: como a escolha sexual moldou a evolução da natureza humana . âncora.

Thomas Sullivan

Jeremy Cruz é um psicólogo experiente e autor dedicado a desvendar as complexidades da mente humana. Apaixonado por compreender as complexidades do comportamento humano, Jeremy esteve ativamente envolvido em pesquisa e prática por mais de uma década. Ele possui um Ph.D. em Psicologia por uma instituição renomada, onde se especializou em psicologia cognitiva e neuropsicologia.Por meio de sua extensa pesquisa, Jeremy desenvolveu uma visão profunda de vários fenômenos psicológicos, incluindo memória, percepção e processos de tomada de decisão. Sua experiência também se estende ao campo da psicopatologia, com foco no diagnóstico e tratamento de transtornos de saúde mental.A paixão de Jeremy por compartilhar conhecimento o levou a criar seu blog, Understanding the Human Mind. Ao selecionar uma vasta gama de recursos de psicologia, ele pretende fornecer aos leitores informações valiosas sobre as complexidades e nuances do comportamento humano. De artigos instigantes a dicas práticas, Jeremy oferece uma plataforma abrangente para quem busca aprimorar sua compreensão da mente humana.Além de seu blog, Jeremy também dedica seu tempo ao ensino de psicologia em uma importante universidade, alimentando as mentes de aspirantes a psicólogos e pesquisadores. Seu estilo de ensino envolvente e desejo autêntico de inspirar os outros fazem dele um professor altamente respeitado e procurado na área.As contribuições de Jeremy para o mundo da psicologia vão além da academia. Ele publicou vários artigos de pesquisa em revistas conceituadas, apresentando suas descobertas em conferências internacionais e contribuindo para o desenvolvimento da disciplina. Com sua forte dedicação ao avanço de nossa compreensão da mente humana, Jeremy Cruz continua a inspirar e educar leitores, aspirantes a psicólogos e colegas pesquisadores em sua jornada para desvendar as complexidades da mente.