"Porque é que não sinto qualquer ligação à minha família?

 "Porque é que não sinto qualquer ligação à minha família?

Thomas Sullivan

Quanto mais os membros da família se relacionam entre si e se ajudam mutuamente, maiores são as hipóteses de sobrevivência e reprodução do seu património genético.

Por outras palavras, todos nós temos uma expetativa intrínseca de obter ajuda e apoio dos nossos familiares mais próximos, o que é especialmente verdade nas relações entre pais e filhos.

Embora se possa estar desligado dos irmãos e dos membros da família alargada, quando as pessoas dizem que se sentem desligadas da família, normalmente referem-se aos pais.

As crianças têm grandes expectativas em relação aos pais porque dependem deles durante muito tempo antes de se poderem defender sozinhas.

Razões para se sentir desligado da família

Quanto maior for a expetativa, maior será a desilusão (e a desconexão). Quando os filhos acreditam que os pais não satisfazem as suas necessidades, sentem-se desconectados deles.

Veja também: De onde vêm os estados de espírito?

É da natureza humana procurar relações recíprocas, dentro ou fora da família. Quando pensamos que as nossas necessidades não estão a ser satisfeitas numa relação, surge a desconexão. O objetivo destes sentimentos é motivar-nos a afastarmo-nos da relação para encontrar relações melhores e mutuamente benéficas.

Vejamos algumas razões específicas para se sentir desligado da sua família:

1. abuso

Se os membros da sua família abusaram de si de alguma forma, é provável que se sinta desligado deles. Não estamos apenas preparados para procurar relações mutuamente benéficas, mas também relações inofensivas. Desligar-se de uma relação tóxica é uma defesa que a mente utiliza para evitar mais danos.

2. negligência

Embora seja possível detetar uma situação de abuso, a negligência é mais subtil. Um progenitor pode não ser abusivo, mas pode ser, intencionalmente ou não, negligente.

A criança precisa do amor, do tempo e de outros recursos dos pais. Quando os pais não satisfazem estas necessidades, a criança não consegue formar uma ligação com eles.

A negligência emocional na infância pode ir desde não passar tempo de qualidade até estar ausente física e/ou emocionalmente da vida da criança. Entre outras coisas, conduz a uma relação emocionalmente distante com os pais.1

3) Enriquecimento

Aproximamo-nos das pessoas que satisfazem as nossas necessidades e distanciamo-nos das que não as satisfazem. Mas há uma coisa que pode acontecer quando nos aproximamos demasiado: é o que acontece no enredamento.

Numa família emaranhada, os membros da família dependem demasiado uns dos outros. Não há fronteiras entre eles, não há privacidade. Os pais não vêem o seu filho como um indivíduo.

As crianças começam a desenvolver as suas próprias identidades quando chegam à adolescência. Se estiverem enredadas com os pais, surge um conflito entre o que são e o que querem ser, levando à desconexão.

4. favoritismo parental

O favoritismo parental é quando um ou ambos os pais favorecem um filho em detrimento dos outros. Redireccionam o seu tempo, energia e outros recursos para um filho em detrimento dos outros filhos. Os filhos negligenciados apercebem-se disso e desenvolvem ressentimento e desconexão.

5. choque de valores

Quando os adolescentes embarcam numa viagem para desenvolver as suas identidades, têm de deixar quem foram para serem o que querem ser. Quem foram foi emprestado pelos pais, pelo que há um choque de valores entre eles e os pais.

Uma vez que é difícil estabelecer uma ligação com quem não partilha os seus valores, a desconexão é inevitável.

Veja também: O efeito placebo em psicologia

6) Estabelecer uma ligação com outra pessoa

Se os seus pais não puderam cuidar de si durante a sua infância por qualquer razão, é provável que os membros da sua família alargada tenham assumido a responsabilidade de cuidar de si.

Embora tenhamos uma expetativa de cuidados por parte dos nossos parentes genéticos mais próximos, podemos afeiçoar-nos a qualquer pessoa que cuide de nós.

Em última análise, o que conta para a sobrevivência é receber amor e cuidados, e não de quem os recebe. Uma criança não pode rejeitar a ajuda de membros da família alargada porque a expetativa original é dos pais.

Quando nos afeiçoamos a alguém, tendemos a afastar-nos de outra pessoa. Se os membros da família alargada gostavam mais de si do que os seus pais, sentir-se-á mais ligado aos primeiros.

7. falta de competências

O objetivo dos cuidados parentais é desenvolver nas crianças as competências que as ajudarão a sobreviver e a prosperar no mundo.2

Os pais têm de ensinar às crianças muitas competências mentais, sociais e de vida. Se não o fizerem, as crianças sentem-se mal preparadas para enfrentar o mundo grande e mau em que têm de entrar. Sentem-se sem pais.

Isto leva ao ressentimento e à desconexão.

É claro que, quando as crianças crescem e entram em maior contacto com o mundo, encontram professores e mentores com quem podem aprender, mas a chama das expectativas parentais não satisfeitas permanece viva dentro delas.

É por isso que, quando admiram os seus professores ou mentores, as pessoas dizem muitas vezes coisas como:

"Ele é o pai que eu nunca tive."

Manter uma distância respeitosa

Quando se trata de desligar, é diferente para a família e para os amigos. Quando se desliga dos amigos ou se acaba com alguém, pode nunca mais pensar nessa pessoa. Pode ter saudades dela ocasionalmente, mas a maior parte das vezes fica contente por a ter desligado.

Embora não seja impossível, é difícil cortar os laços com a família. Se o fizer, terá de lidar com a culpa.

Mesmo que não se sinta ligado a um familiar, não recomendo que corte relações com ele se não conseguir lidar com a culpa que o acompanha.

Em vez disso, deve esforçar-se por manter aquilo a que chamo uma "distância respeitosa". Trata-os bem, respeita-os e cumpre os seus deveres, mas não se envolve emocionalmente. Não faz deles uma parte importante da sua vida. Mantém-nos à margem.

Mantém-se desligado e não se esforça por voltar a ligar-se.

A estratégia funciona de forma brilhante para proteger a sua saúde mental. Se trouxer à baila ressentimentos passados, isso só vai levar a conflitos desnecessários. Se discutir e lutar contra eles, eles podem usar as suas discussões e lutas como armas para o culpabilizar.

Com uma distância respeitosa, não lhes dá razões para lutar, mantendo os seus limites, e poupa-o à culpa de se desligar de parentes genéticos próximos.

Referências

  1. Musetti, A., Grazia, V., Manari, T., Terrone, G., & Corsano, P. (2021). Ligando a negligência emocional da infância à solidão relacionada aos pais dos adolescentes: diferenciação auto-outro e distanciamento emocional dos pais como mediadores. Abuso de crianças & Negligência , 122 , 105338.
  2. Geary, D. C., & Flinn, M. V. (2001). Evolução do comportamento parental humano e da família humana. Parentalidade , 1 (1-2), 5-61.

Thomas Sullivan

Jeremy Cruz é um psicólogo experiente e autor dedicado a desvendar as complexidades da mente humana. Apaixonado por compreender as complexidades do comportamento humano, Jeremy esteve ativamente envolvido em pesquisa e prática por mais de uma década. Ele possui um Ph.D. em Psicologia por uma instituição renomada, onde se especializou em psicologia cognitiva e neuropsicologia.Por meio de sua extensa pesquisa, Jeremy desenvolveu uma visão profunda de vários fenômenos psicológicos, incluindo memória, percepção e processos de tomada de decisão. Sua experiência também se estende ao campo da psicopatologia, com foco no diagnóstico e tratamento de transtornos de saúde mental.A paixão de Jeremy por compartilhar conhecimento o levou a criar seu blog, Understanding the Human Mind. Ao selecionar uma vasta gama de recursos de psicologia, ele pretende fornecer aos leitores informações valiosas sobre as complexidades e nuances do comportamento humano. De artigos instigantes a dicas práticas, Jeremy oferece uma plataforma abrangente para quem busca aprimorar sua compreensão da mente humana.Além de seu blog, Jeremy também dedica seu tempo ao ensino de psicologia em uma importante universidade, alimentando as mentes de aspirantes a psicólogos e pesquisadores. Seu estilo de ensino envolvente e desejo autêntico de inspirar os outros fazem dele um professor altamente respeitado e procurado na área.As contribuições de Jeremy para o mundo da psicologia vão além da academia. Ele publicou vários artigos de pesquisa em revistas conceituadas, apresentando suas descobertas em conferências internacionais e contribuindo para o desenvolvimento da disciplina. Com sua forte dedicação ao avanço de nossa compreensão da mente humana, Jeremy Cruz continua a inspirar e educar leitores, aspirantes a psicólogos e colegas pesquisadores em sua jornada para desvendar as complexidades da mente.