Porque é que a atenção ao pormenor é a competência do século

 Porque é que a atenção ao pormenor é a competência do século

Thomas Sullivan

Se alguma vez folheou as notificações de emprego, deve ter reparado que os empregadores estão constantemente à procura de "atenção ao pormenor" nos candidatos. Se não reparou nisto, então talvez precise de trabalhar a sua capacidade de "atenção ao pormenor".

Brincadeiras à parte, se conseguir prestar atenção aos pormenores, pode melhorar todos os aspectos da sua vida - desde o trabalho às relações. Neste artigo, vamos explicar porque é que a atenção aos pormenores é tão importante no local de trabalho moderno - porque é a competência do século XXI.

Tempo de atenção humano limitado

Falemos primeiro da atenção humana. Os nossos antepassados não teriam ganho muito se prestassem atenção a todos os pormenores do seu ambiente. Os seus problemas eram simples: evitar ser comido por predadores, encontrar parceiros, proteger os parentes, etc.

Assim, o nosso sistema de atenção está orientado para prestar atenção a poucos estímulos evolutivamente relevantes.

Os meios de comunicação social e as agências noticiosas exploram muitas vezes esta nossa tendência para a atenção. As agências noticiosas, por exemplo, sabem que, ao bombardearem-nos com notícias sujas e que incitam ao medo, conseguem captar a nossa atenção. As notícias negativas vendem.

Veja também: Teste de hipervigilância (auto-teste de 25 itens)

Nas últimas duas décadas, a tecnologia progrediu rapidamente. A situação em que nos encontramos não tem precedentes: os nossos cérebros da idade da pedra estão a lutar para acompanhar o rápido influxo e disponibilidade de informação.

O resultado é que, num determinado dia, a nossa atenção está a ser puxada em diferentes direcções, tal como um titereiro a puxar os cordelinhos. Por isso, muitas pessoas acham que a sua atenção está espalhada por todo o lado.

Da próxima vez que sentir que a sua atenção está em todo o lado, pare um momento para pensar no que está a puxar por si. Muitas vezes, encontrará um tema evolutivamente relevante (violência, sexo, comida, mexericos, etc.).

O objetivo não é evitar completamente estes temas, claro, mas ser mais deliberado do que reativo ao lidar com eles.

Cérebro da idade da pedra versus tempos modernos

Por um lado, somos facilmente fisgados por temas evolutivamente relevantes, por outro lado, os problemas que enfrentamos no trabalho estão a tornar-se cada vez mais complexos, especialmente com a disponibilidade de toneladas e toneladas de dados.

Para resolver os muitos problemas complexos da vida moderna, precisamos de nos concentrar e prestar atenção aos pormenores. Mas isto não é algo que nos venha naturalmente. Não é o que estamos programados para fazer.

Ironicamente, os próprios mecanismos psicológicos que foram concebidos para nos ajudar a resolver os nossos problemas na antiguidade são um obstáculo à sua resolução nos tempos modernos.

Atenção ao pormenor versus conhecimento

Houve um tempo em que ser conhecedor era valioso aos olhos da sociedade e dos empregadores. Ainda o é, mas o valor do conhecimento diminuiu significativamente devido à sua fácil acessibilidade. Tudo o que quiser saber está provavelmente a apenas alguns cliques (ou toques) de distância.

Por isso, ser conhecedor não é "a competência" deste século. Todos podem saber o que querem saber, mas poucos conseguem concentrar-se e prestar atenção aos pormenores. Por isso, ter a capacidade de prestar atenção aos pormenores num mundo onde a atenção é fragmentada é a competência mais valiosa deste século.

Vantagens de prestar atenção aos pormenores

Como já foi referido, a atenção humana é selectiva porque nos ajuda a evitar prestar atenção a coisas irrelevantes. Esta tendência funciona contra nós nos tempos modernos, quando tentamos resolver problemas complexos no trabalho.

Os problemas complexos, pela sua própria natureza, requerem que se preste atenção a todos os seus pormenores. A tendência humana é simplificar os problemas e acabar com eles. Encontramos uma solução que nos serve e corremos a implementá-la, apercebendo-nos mais tarde de que havia mais na história do que pensávamos.

A nossa atenção só nos permite ver uma fatia da realidade - uma fatia do problema. Se não aprendermos a prestar atenção aos pormenores, é provável que não vejamos o quadro completo.

No que diz respeito aos problemas simples, é certo que se podem utilizar regras de ouro para os contornar, mas os problemas complexos são resistentes a soluções simples e a regras de ouro.

Quanto mais informação recolher sobre um problema complexo, maior será a probabilidade de encontrar uma solução viável.

Prestar atenção aos detalhes de um problema complexo permite-lhe recolher o máximo de informação possível sobre o problema.

A atenção aos pormenores ajuda-nos a olhar profundamente para o passado e para o futuro, o que nos torna melhores solucionadores de problemas e melhores planeadores.

Veja também: Tipos de necessidades (teoria de Maslow)

Os empregadores procuram bons solucionadores de problemas e planeadores porque produzem um trabalho de alta qualidade e eficiente, conhecem os meandros do seu trabalho e, por isso, são menos propensos a cometer erros que acarretam custos elevados.

Melhorar a atenção aos pormenores

Metade da batalha é ganha quando percebemos que prestar atenção aos detalhes não é algo natural para nós. Por isso, temos de nos forçar e treinar para o fazer. As pessoas não prestam atenção aos detalhes por duas razões:

  1. Nunca tiveram de resolver problemas complexos.
  2. Não vêem o valor de prestar atenção aos pormenores.

Quando somos obrigados a resolver um problema complexo, somos obrigados a prestar atenção aos pormenores. Quando finalmente resolvemos o problema, as recompensas da sua resolução são enormes. No entanto, a maior recompensa é uma apreciação renovada da complexidade e dos pormenores.

Os maiores solucionadores de problemas do mundo também tendem a ser humildes porque a complexidade dos seus problemas esmaga o seu ego muitas vezes.

Enquanto os outros se apressam a resolver os problemas que pensam erradamente serem simples, os génios aguardam em segundo plano, à espera que a poeira assente, pois sabem que só quando a poeira assenta é que as coisas se tornam claras.

"Não podemos resolver os nossos problemas com o mesmo pensamento que usámos quando os criámos."

- Albert Einstein

Capacidade de saber a que pormenores prestar atenção

Claro que prestar atenção aos pormenores é importante e pode ajudar-nos a evitar cometer erros dispendiosos. Mas, tendo em conta os nossos recursos de atenção limitados, uma competência ainda mais importante é saber o que pormenores a que se deve prestar atenção.

A análise de um problema complexo consome tempo e recursos. Se conseguir determinar onde concentrar a sua atenção, será indispensável para os seus empregadores. É aqui que entra a preparação inteligente.

Antes de se aprofundar num problema complexo, certifique-se de que vale a pena resolver o problema e de que os pormenores a que presta atenção são susceptíveis de produzir resultados.

Com a atenção a tornar-se cada vez mais um recurso escasso, quem sabe se no futuro não veremos empregadores a procurar a competência de "saber a que prestar atenção pormenorizadamente".

Thomas Sullivan

Jeremy Cruz é um psicólogo experiente e autor dedicado a desvendar as complexidades da mente humana. Apaixonado por compreender as complexidades do comportamento humano, Jeremy esteve ativamente envolvido em pesquisa e prática por mais de uma década. Ele possui um Ph.D. em Psicologia por uma instituição renomada, onde se especializou em psicologia cognitiva e neuropsicologia.Por meio de sua extensa pesquisa, Jeremy desenvolveu uma visão profunda de vários fenômenos psicológicos, incluindo memória, percepção e processos de tomada de decisão. Sua experiência também se estende ao campo da psicopatologia, com foco no diagnóstico e tratamento de transtornos de saúde mental.A paixão de Jeremy por compartilhar conhecimento o levou a criar seu blog, Understanding the Human Mind. Ao selecionar uma vasta gama de recursos de psicologia, ele pretende fornecer aos leitores informações valiosas sobre as complexidades e nuances do comportamento humano. De artigos instigantes a dicas práticas, Jeremy oferece uma plataforma abrangente para quem busca aprimorar sua compreensão da mente humana.Além de seu blog, Jeremy também dedica seu tempo ao ensino de psicologia em uma importante universidade, alimentando as mentes de aspirantes a psicólogos e pesquisadores. Seu estilo de ensino envolvente e desejo autêntico de inspirar os outros fazem dele um professor altamente respeitado e procurado na área.As contribuições de Jeremy para o mundo da psicologia vão além da academia. Ele publicou vários artigos de pesquisa em revistas conceituadas, apresentando suas descobertas em conferências internacionais e contribuindo para o desenvolvimento da disciplina. Com sua forte dedicação ao avanço de nossa compreensão da mente humana, Jeremy Cruz continua a inspirar e educar leitores, aspirantes a psicólogos e colegas pesquisadores em sua jornada para desvendar as complexidades da mente.