O que é o insight learning (definição e teoria)?

 O que é o insight learning (definição e teoria)?

Thomas Sullivan

A aprendizagem por insight é um tipo de aprendizagem que acontece de repente, num instante. São aqueles momentos de "a-ha", as lâmpadas que as pessoas normalmente recebem muito depois de terem abandonado um problema.

Acredita-se que a aprendizagem do insight está por detrás de muitas invenções, descobertas e soluções criativas ao longo da história.

Neste artigo, vamos explorar o que está por detrás desses momentos de "a-ha", ver como aprendemos, como resolvemos problemas e como o insight se enquadra na resolução de problemas.

Aprendizagem associativa vs Aprendizagem intuitiva

Em meados do século XX, os psicólogos comportamentais tinham desenvolvido boas teorias sobre a forma como aprendemos por associação, baseando-se em grande parte nas experiências de Thorndike, que colocou animais numa caixa de puzzle com muitas alavancas no interior.

Para sair da caixa, os animais tinham de carregar na alavanca da direita. Os animais moveram aleatoriamente as alavancas antes de descobrirem qual delas abria a porta. Isto é aprendizagem associativa. O animal associou o movimento da alavanca da direita à abertura da porta.

À medida que Thorndike repetia as experiências, os animais tornavam-se cada vez melhores a descobrir a alavanca correcta. Por outras palavras, o número de tentativas necessárias para os animais resolverem o problema diminuía com o tempo.

Os psicólogos comportamentais são famosos por não prestarem qualquer atenção aos processos cognitivos. Nas experiências de Thorndike, Pavlov, Watson e Skinner, os sujeitos aprendem coisas puramente do seu ambiente. Não há trabalho mental envolvido, exceto a associação.

Os psicólogos da Gestalt, por outro lado, estavam fascinados com a forma como o cérebro podia percecionar a mesma coisa de maneiras diferentes, inspirando-se em ilusões de ótica como o cubo reversível apresentado abaixo, que pode ser percepcionado de duas maneiras.

Em vez de se concentrarem nas partes, interessavam-se pela soma das partes, o todo. Dado o seu interesse pela perceção (um processo cognitivo), os psicólogos da Gestalt estavam interessados no papel que a cognição poderia desempenhar na aprendizagem.

Kohler observou que os macacos, depois de não conseguirem resolver um problema durante algum tempo, tinham uma visão súbita e pareciam descobrir a solução.

Por exemplo, para chegar a bananas que estavam fora do seu alcance, os macacos juntaram dois paus num momento de insight. Para chegar a um cacho de bananas pendurado no teto, colocaram caixas que estavam espalhadas umas em cima das outras.

É evidente que, nestas experiências, os animais não resolviam os seus problemas através da aprendizagem associativa, mas sim através de um outro processo cognitivo, a que os psicólogos da Gestalt chamaram aprendizagem de insight.

Os macacos não aprenderam a resolver os problemas por mera associação ou feedback do ambiente, mas usaram o raciocínio ou a tentativa e erro cognitiva (em oposição à tentativa e erro comportamental do behaviorismo) para chegar à solução.1

Como é que ocorre a aprendizagem do insight?

Para compreender a forma como experienciamos o insight, é útil analisar a forma como resolvemos os problemas. Quando nos deparamos com um problema, pode surgir uma das seguintes situações:

1. o problema é fácil

Quando nos deparamos com um problema, a nossa mente procura na nossa memória problemas semelhantes que já enfrentámos no passado e aplica ao problema atual as soluções que funcionaram no passado.

O problema mais fácil de resolver é aquele com que já se deparou antes. Pode levar apenas algumas tentativas ou apenas uma tentativa para o resolver. Não experimenta qualquer insight. Resolve o problema através do raciocínio ou do pensamento analítico.

2. o problema é mais difícil

A segunda possibilidade é que o problema seja um pouco mais difícil. Provavelmente, já enfrentou problemas semelhantes, mas não demasiado semelhantes, no passado, pelo que aplica soluções que funcionaram no passado ao problema atual.

No entanto, neste caso, é necessário pensar melhor, reorganizar os elementos do problema ou reestruturar o problema ou a sua abordagem para o resolver.

No final, resolve o caso, mas com mais tentativas do que as necessárias no caso anterior. É mais provável que tenha um insight neste caso do que no anterior.

3. o problema é complexo

Quando nos deparamos com um problema mal definido ou complexo, esgotamos todas as soluções que podemos encontrar na memória, batemos numa parede e não sabemos o que fazer.

Abandonamos o problema. Mais tarde, quando estamos a fazer algo não relacionado com o problema, surge um lampejo que nos ajuda a resolver o problema.

Quanto mais tentativas forem necessárias para resolver um problema, mais será necessário reorganizar os elementos de um problema ou reestruturá-lo.

Agora que contextualizámos a experiência de insight, vejamos as fases envolvidas na aprendizagem de insight.

Fases da aprendizagem do insight

A teoria da decomposição em fases de Wallas2 afirma que a experiência de insight envolve as seguintes fases

1. preparação

Esta é a fase do pensamento analítico em que o solucionador de problemas tenta todos os tipos de abordagens para resolver um problema utilizando a lógica e o raciocínio. Se a solução for encontrada, as fases seguintes não ocorrem.

Se o problema for complexo, o solucionador de problemas esgota as suas opções e não consegue encontrar uma solução. Sente-se frustrado e abandona o problema.

2) Incubação

Se alguma vez abandonou um problema difícil, deve ter reparado que ele se mantém no fundo da sua mente, assim como alguma frustração e um ligeiro mau humor. Durante o período de incubação, não presta muita atenção ao seu problema e dedica-se a outras actividades de rotina.

Este período pode durar de alguns minutos a muitos anos e os estudos demonstraram que este período aumenta a probabilidade de encontrar a solução.3

3) Insight (Iluminação)

O insight ocorre quando a solução se manifesta espontaneamente no pensamento consciente. Esta rapidez é importante: parece um salto para a solução, e não uma chegada lenta e gradual como no pensamento analítico.

4) Verificação

A solução encontrada através do insight pode ou não ser correcta e, por isso, precisa de ser testada. Verificar a solução, mais uma vez, é um processo deliberativo como o pensamento analítico. Se a solução encontrada através do insight se revelar falsa, então a fase de Preparação é repetida.

Eu sei o que estão a pensar:

"É tudo muito bonito e elegante - os palcos e tudo. Mas como é que vamos ter conhecimentos?"

Vamos falar sobre isso por um momento.

A teoria da Interação Explícito-Implícito (EII)

Uma teoria interessante apresentada para explicar a forma como obtemos conhecimentos é a teoria da Interação Explícita-Implícita (EII).4

A teoria afirma que existe uma interação constante entre os nossos processos conscientes e inconscientes. Raramente estamos totalmente conscientes ou inconscientes quando interagimos com o mundo.

O processamento consciente (ou explícito) envolve, em grande parte, o processamento baseado em regras que activam um conjunto específico de conceitos durante a resolução de problemas.

Quando resolvemos um problema de forma analítica, fazemo-lo com uma abordagem limitada baseada na nossa experiência. O hemisfério esquerdo do cérebro é responsável por este tipo de processamento.

O processamento inconsciente (ou implícito) ou a intuição envolve o hemisfério direito, activando uma vasta gama de conceitos quando se está a tentar resolver um problema e ajudando a ver o panorama geral.

Veja também: Inventário de temperamento de Fisher (Teste)

Quando aprende a andar de bicicleta pela primeira vez, por exemplo, é-lhe dado um conjunto de regras a seguir: faça isto e não faça aquilo. A sua mente consciente está ativa. Depois de ter aprendido a habilidade, esta passa a fazer parte da sua memória inconsciente ou implícita. A isto chama-se implicitação.

Quando a mesma coisa acontece ao contrário, temos explicitação ou insight, ou seja, temos insight quando o processamento inconsciente transfere informação para a mente consciente.

Em apoio a esta teoria, estudos demonstraram que, imediatamente antes de ter um insight, o hemisfério direito envia um sinal ao hemisfério esquerdo.5

Fonte: Hélie & Sun (2010)

A figura acima diz-nos que quando uma pessoa abandona um problema (ou seja, inibe o processamento consciente), o seu inconsciente continua a tentar fazer ligações associativas para chegar à solução.

Quando encontra a ligação correcta - voilá! O insight aparece na mente consciente.

Note-se que esta ligação pode surgir espontaneamente na mente ou pode ser desencadeada por um estímulo externo (uma imagem, um som ou uma palavra).

Tenho a certeza de que já viveu ou observou um daqueles momentos em que está a falar com uma pessoa que está a resolver um problema e algo que disse desencadeou a sua perceção. Ela parece agradavelmente surpreendida, abandona a conversa e apressa-se a resolver o seu problema.

Mais informações sobre a natureza do insight

Esta dicotomia entre a resolução de problemas analíticos e a resolução de problemas de insight nem sempre é válida.

Por vezes, o insight pode ser alcançado através do pensamento analítico. Outras vezes, não é necessário ter abandonado um problema para experimentar o insight.6

Por conseguinte, precisamos de uma nova forma de olhar para o insight que possa explicar estes factos.

Para isso, quero que penses na resolução de problemas como uma passagem do ponto A (primeiro encontro com o problema) para o ponto B (resolução do problema).

Imagine que, entre os pontos A e B, tem peças de um puzzle espalhadas por todo o lado. Dispor essas peças da forma correcta seria o mesmo que resolver o problema. Terá criado um caminho de A para B.

Se se deparar com um problema fácil, é provável que já tenha resolvido um problema semelhante no passado. Só precisa de colocar algumas peças na ordem correcta para resolver o problema. O padrão em que as peças se encaixam é fácil de descobrir.

Este rearranjo das peças é o pensamento analítico.

Quase sempre, o insight é experimentado quando se está perante um problema complexo. Quando o problema é complexo, é preciso passar muito tempo a reorganizar as peças. É preciso fazer muitas tentativas. Joga-se com mais peças.

Se não conseguir resolver o problema enquanto estiver a baralhar demasiadas peças, isso leva à frustração. Se continuar e não abandonar o problema, pode ter um insight. Finalmente encontrou um padrão para as peças do puzzle que o pode levar de A a B.

Esta sensação de ter encontrado um padrão de solução para um problema complexo produz um insight, independentemente do facto de se abandonar o problema.

Pense na sensação de um insight. É agradável, excitante e traz alívio. É essencialmente um alívio da frustração aberta ou encoberta. Sente-se aliviado porque sente que encontrou um padrão de solução para um problema complexo - uma agulha num palheiro.

O que acontece quando se abandona o problema?

Tal como explica a teoria da EII, é provável que, no processo de implicitação, se entregue ao inconsciente a tarefa de peneirar as peças do puzzle, tal como se entrega ao inconsciente a tarefa de andar de bicicleta depois de o ter feito durante algum tempo.

Veja também: Linguagem corporal com a língua encostada à bochecha

É isso que pode ser responsável por essa sensação de que o problema está a ficar no fundo da sua mente.

Enquanto está envolvido noutras actividades, o subconsciente continua a reorganizar as peças do puzzle, utilizando mais peças do que as que poderia ter utilizado conscientemente (ativação de uma vasta gama de conceitos pelo hemisfério direito).

Quando o seu subconsciente acaba de fazer a reorganização e acredita que chegou a uma solução - uma forma de passar de A para B - tem o momento "a-ha". Esta deteção de padrões de solução marca o fim de um longo período de frustração.

Se descobrirmos que o padrão de solução não resolve o problema, voltamos a reorganizar as peças do puzzle.

Reestruturar a abordagem, não o problema

Os psicólogos da Gestalt propuseram que o período de incubação ajuda o solucionador de problemas a reestruturar o problema, ou seja, a ver o próprio problema de forma diferente.

Na nossa analogia com as peças de um puzzle, as peças referem-se a elementos do problema, ao próprio problema, bem como ao abordagem Por isso, quando estiver a reorganizar as peças do puzzle, pode fazer uma ou mais destas coisas.

Para realçar a diferença entre reestruturar o problema em si e mudar apenas a abordagem, gostaria de contar um exemplo da minha experiência pessoal.

O problema dos 9 pontos é um famoso problema de insight que exige que se pense fora da caixa. Quando o meu pai me mostrou este problema pela primeira vez, eu não sabia o que fazer, não conseguia resolvê-lo. Então ele finalmente mostrou-me a solução e eu tive um momento de "a-ha".

Utilizando 4 linhas rectas, junte os pontos sem levantar a caneta nem traçar uma linha. Solução abaixo.

Desde então, sempre que me deparei com o problema, consegui resolvê-lo em apenas algumas tentativas. Da primeira vez, foram necessárias muitas tentativas e falhei.

Repare que o que aprendi com o meu momento "a-ha" foi como abordar o problema de forma diferente. Não reestruturei o problema em si, apenas a minha abordagem ao mesmo. Não memorizei a solução, apenas sabia a forma correcta de o fazer.

Quando soube a forma correcta de abordar a questão, resolvi-a sempre em poucas tentativas, apesar de não saber exatamente como era a solução.

Se um problema lhe está a exigir demasiadas tentativas, talvez deva reconsiderar a forma como o está a abordar antes de começar a brincar com outras peças do puzzle.

Solução para o problema dos 9 pontos.

Referências

  1. Ash, I. K., Jee, B. D., & Wiley, J. (2012). Investigando o insight como aprendizagem súbita. O Jornal da Resolução de Problemas , 4 (2).
  2. Wallas, G. (1926), The art of thought, J. Cape: Londres.
  3. Dodds, R. A., Smith, S. M., & Ward, T. B. (2002). A utilização de pistas ambientais durante a incubação. Revista de Investigação sobre Criatividade , 14 (3-4), 287-304.
  4. Hélie, S., & Sun, R. (2010). Incubação, insight e resolução criativa de problemas: uma teoria unificada e um modelo conexionista. Revisão psicológica , 117 (3), 994.
  5. Bowden, E. M., Jung-Beeman, M., Fleck, J., & Kounios, J. (2005). New approaches to demystifying insight. Tendências das ciências cognitivas , 9 (7), 322-328.
  6. Weisberg, R. W. (2015). Para uma teoria integrada do insight na resolução de problemas. Pensamento & Raciocínio , 21 (1), 5-39.

Thomas Sullivan

Jeremy Cruz é um psicólogo experiente e autor dedicado a desvendar as complexidades da mente humana. Apaixonado por compreender as complexidades do comportamento humano, Jeremy esteve ativamente envolvido em pesquisa e prática por mais de uma década. Ele possui um Ph.D. em Psicologia por uma instituição renomada, onde se especializou em psicologia cognitiva e neuropsicologia.Por meio de sua extensa pesquisa, Jeremy desenvolveu uma visão profunda de vários fenômenos psicológicos, incluindo memória, percepção e processos de tomada de decisão. Sua experiência também se estende ao campo da psicopatologia, com foco no diagnóstico e tratamento de transtornos de saúde mental.A paixão de Jeremy por compartilhar conhecimento o levou a criar seu blog, Understanding the Human Mind. Ao selecionar uma vasta gama de recursos de psicologia, ele pretende fornecer aos leitores informações valiosas sobre as complexidades e nuances do comportamento humano. De artigos instigantes a dicas práticas, Jeremy oferece uma plataforma abrangente para quem busca aprimorar sua compreensão da mente humana.Além de seu blog, Jeremy também dedica seu tempo ao ensino de psicologia em uma importante universidade, alimentando as mentes de aspirantes a psicólogos e pesquisadores. Seu estilo de ensino envolvente e desejo autêntico de inspirar os outros fazem dele um professor altamente respeitado e procurado na área.As contribuições de Jeremy para o mundo da psicologia vão além da academia. Ele publicou vários artigos de pesquisa em revistas conceituadas, apresentando suas descobertas em conferências internacionais e contribuindo para o desenvolvimento da disciplina. Com sua forte dedicação ao avanço de nossa compreensão da mente humana, Jeremy Cruz continua a inspirar e educar leitores, aspirantes a psicólogos e colegas pesquisadores em sua jornada para desvendar as complexidades da mente.