O que causa o pensamento excessivo?

 O que causa o pensamento excessivo?

Thomas Sullivan

Para compreender o que causa o pensamento excessivo, precisamos de compreender porque é que pensamos em primeiro lugar. Depois disso, podemos começar a explorar a razão pela qual este processo entra em excesso e o que pode ser feito para o ultrapassar.

Na primeira metade do século XX, os behavioristas dominaram o campo da psicologia, acreditando que o comportamento era o produto de associações mentais e das consequências do comportamento, o que deu origem ao condicionamento clássico e ao condicionamento operante.

Numa experiência clássica, sempre que se dava comida aos cães de Pavlov, tocava-se uma campainha de modo a que o toque da campainha na ausência de comida gerasse uma resposta (salivação).

Por outro lado, o condicionamento operante defende que o comportamento é o resultado das suas consequências. Se um comportamento tem uma consequência positiva, é provável que o repitamos. O contrário é verdadeiro para um comportamento com uma consequência negativa.

Assim, segundo o behaviorismo, a mente humana era esta caixa negra que gerava uma resposta em função do estímulo recebido.

Depois vieram os cognitivistas que defendiam que a caixa negra também tinha algo a acontecer no seu interior que resultava em pensamento comportamental.

De acordo com este ponto de vista, a mente humana é um processador de informação. Processamos/interpretamos as coisas que nos acontecem em vez de reagirmos cegamente aos estímulos. O pensamento ajuda-nos a resolver problemas, a planear as nossas acções, a tomar decisões, etc.

Porque é que pensamos demasiado?

Resumindo, pensamos demasiado quando estamos bloqueados enquanto processamos/interpretamos as coisas que acontecem no nosso ambiente.

Em qualquer altura, pode prestar atenção a qualquer uma das duas coisas - o que está a acontecer no seu ambiente e o que está a acontecer dentro da sua mente. É difícil prestar atenção às duas coisas em simultâneo. Até mesmo alternar rapidamente entre as duas coisas requer um elevado nível de consciência.

Agora, para resolver os problemas do nosso ambiente, precisamos muitas vezes de pensar. Por outras palavras, precisamos de dar um passo atrás e redirecionar a nossa atenção do ambiente para a nossa mente. É difícil pensar e envolvermo-nos com o nosso ambiente ao mesmo tempo. Temos recursos mentais limitados.

Veja também: 7 Sinais de atração baseados na linguagem corporal

Se formos capazes de resolver um problema rapidamente, podemos voltar rapidamente a interagir com o nosso ambiente. O que acha que vai acontecer se formos confrontados com um problema complexo que não é fácil de resolver? Exatamente! Vamos pensar demasiado.

Pensamos demasiado porque a natureza do problema assim o exige. Ao fazer-nos pensar demasiado, a nossa mente consegue concentrar a nossa atenção no problema. Estamos na nossa cabeça. Estamos na nossa cabeça porque é a partir daí que podemos encontrar uma solução para o nosso problema complexo.

Não importa se o problema pode ou não ser resolvido; o seu cérebro coloca-o em modo de pensamento excessivo porque é a única forma que tem de resolver problemas difíceis ou novos.

Digamos que acabou de chumbar num exame. Quando chega a casa, dá por si a pensar repetidamente no que aconteceu. A sua mente detectou que algo está errado no seu ambiente.

Por conseguinte, tenta trazê-lo de volta à sua cabeça para que possa compreender o que aconteceu, porque aconteceu e como pode resolvê-lo ou evitá-lo no futuro.

Este período de reflexão excessiva geralmente termina quando promete a si próprio que vai estudar mais para o próximo trabalho. No entanto, se um problema for muito mais complexo do que isso, vai dar por si preso num período interminável de reflexão excessiva.

Em suma, o pensamento excessivo é um mecanismo que nos permite compreender a natureza dos nossos problemas complexos, de modo a podermos tentar resolvê-los.

Pensar demais não é um hábito

O problema de ver o pensamento excessivo como um hábito ou uma caraterística é que ignora o contexto em que acontece e o seu objetivo. Um chamado pensador excessivo habitual não pensa excessivamente em tudo a toda a hora.

Quando as pessoas pensam demasiado, na maior parte das vezes, têm boas razões para o fazer. A intensidade e a frequência do pensamento excessivo dependem da natureza do problema complexo e único que cada indivíduo enfrenta.

Desprezar o pensamento excessivo como sendo apenas mais um mau hábito do qual nos devemos livrar através de medidas como a distração e a atenção plena não é o mais importante. Além disso, os hábitos têm algum tipo de recompensa associada, o que não acontece com o pensamento excessivo, que normalmente faz com que a pessoa se sinta pior ao longo do tempo.

Porque é que pensar demais é mau

As pessoas querem livrar-se dos pensamentos excessivos porque muitas vezes se sentem mal e podem levar ao stress e à depressão. A ruminação é, de facto, um forte indicador de depressão.

No meu artigo sobre a depressão, bem como no meu livro Depression's Hidden Purpose (O objetivo oculto da depressão), referi que a depressão nos abranda para que possamos ruminar sobre os nossos problemas de vida.

Veja também: De onde vêm os estados de espírito?

O que se passa é que, tal como acontece com muitas outras coisas na Psicologia, não é totalmente claro se a ruminação causa depressão ou se a depressão leva à ruminação. Suspeito que seja uma relação bidirecional. Ambas são causas e efeitos uma da outra.

Pode haver várias razões para que o pensamento excessivo conduza a emoções negativas:

Em primeiro lugar, se estivermos a pensar demasiado sem qualquer solução à vista, sentimo-nos mal porque ficamos sem esperança e desamparados. Em segundo lugar, se não estivermos confiantes na nossa potencial solução, sentimo-nos mal porque não temos motivação para a implementar.

Em terceiro lugar, pensamentos negativos como "Porque é que isto me acontece sempre?" ou "A minha sorte é má" ou "Isto vai prejudicar o meu futuro" podem levar a emoções negativas.

Além disso, quando estamos num estado emocional, positivo ou negativo, temos tendência para o prolongar. É por isso que fazemos mais coisas que nos trazem felicidade quando estamos felizes e vemos tudo de forma negativa quando nos sentimos mal. Gosto de lhe chamar inércia emocional.

Se o pensamento excessivo leva a emoções negativas, é provável que veja as coisas neutras como negativas para prolongar o seu estado emocional negativo.

É importante perceber que pensar demais em si não é um problema, mas sim o facto de não conseguir resolver os seus problemas. Claro que, se pensar demais acaba por o fazer sentir-se mal e não consegue resolver o seu problema, vai querer saber como parar com isso e vai parar a artigos como este.

Repugnam-me os conselhos genéricos do tipo "evite a paralisia da análise" ou "torne-se uma pessoa de ação".

Como é que se pode esperar que alguém que enfrenta um problema complexo tome medidas de imediato? Custava-lhe tentar primeiro compreender plenamente a natureza do seu problema e as suas implicações?

O facto de demorar algum tempo a compreender o seu problema e não agir de imediato não significa que não seja uma "pessoa de ação".

Ao mesmo tempo, depois de ter pensado demasiado, depois de ter processado o seu problema na totalidade, tem de tomar uma decisão. Pode ser resolvido? Vale a pena resolvê-lo? Pode ser controlado? Ou deve largá-lo e esquecê-lo?

Dê à sua mente razões sólidas para seguir um caminho e ela segui-lo-á.

Superar o pensamento excessivo

Se precisar de pensar mais para decidir qual a carreira que deve escolher do que para decidir o que comer ao jantar, qual é o mal disso? Porquê demonizar o pensamento excessivo?

Pensar em excesso é, na maior parte das vezes, uma coisa boa. Se pensa em excesso, é provavelmente inteligente e capaz de ver um problema de todos os ângulos. O foco não deve ser como parar de pensar em excesso, mas sim porque é que pensa em excesso, especialmente porque é que o seu pensamento em excesso não está a funcionar.

Não tem uma solução à vista? Que tal mudar a forma como está a abordar o problema? Que tal procurar ajuda de uma pessoa que tenha enfrentado o mesmo problema?

Vivemos numa época em que nos são lançados constantemente problemas cada vez mais complexos. Longe vão os dias em que tínhamos de nos limitar a caçar e a colher para sobreviver.

As nossas mentes estão adaptadas a ambientes em que a vida não era tão complexa como é hoje. Por isso, se a sua mente quiser passar mais tempo a remoer um problema, deixe-a. Dê-lhe um descanso. Está a lidar com tarefas que nem sequer foram mencionadas na sua descrição de funções.

Thomas Sullivan

Jeremy Cruz é um psicólogo experiente e autor dedicado a desvendar as complexidades da mente humana. Apaixonado por compreender as complexidades do comportamento humano, Jeremy esteve ativamente envolvido em pesquisa e prática por mais de uma década. Ele possui um Ph.D. em Psicologia por uma instituição renomada, onde se especializou em psicologia cognitiva e neuropsicologia.Por meio de sua extensa pesquisa, Jeremy desenvolveu uma visão profunda de vários fenômenos psicológicos, incluindo memória, percepção e processos de tomada de decisão. Sua experiência também se estende ao campo da psicopatologia, com foco no diagnóstico e tratamento de transtornos de saúde mental.A paixão de Jeremy por compartilhar conhecimento o levou a criar seu blog, Understanding the Human Mind. Ao selecionar uma vasta gama de recursos de psicologia, ele pretende fornecer aos leitores informações valiosas sobre as complexidades e nuances do comportamento humano. De artigos instigantes a dicas práticas, Jeremy oferece uma plataforma abrangente para quem busca aprimorar sua compreensão da mente humana.Além de seu blog, Jeremy também dedica seu tempo ao ensino de psicologia em uma importante universidade, alimentando as mentes de aspirantes a psicólogos e pesquisadores. Seu estilo de ensino envolvente e desejo autêntico de inspirar os outros fazem dele um professor altamente respeitado e procurado na área.As contribuições de Jeremy para o mundo da psicologia vão além da academia. Ele publicou vários artigos de pesquisa em revistas conceituadas, apresentando suas descobertas em conferências internacionais e contribuindo para o desenvolvimento da disciplina. Com sua forte dedicação ao avanço de nossa compreensão da mente humana, Jeremy Cruz continua a inspirar e educar leitores, aspirantes a psicólogos e colegas pesquisadores em sua jornada para desvendar as complexidades da mente.