O processo da toxicodependência (Explicado)

 O processo da toxicodependência (Explicado)

Thomas Sullivan

Este artigo abordará o processo psicológico da toxicodependência, centrando-se nas principais razões que levam à dependência.

A palavra vício vem de "ad", que é um prefixo que significa "para", e "dictus", que significa "dizer ou contar". As palavras "dicionário" e "ditado" também derivam de "dictus".

Por conseguinte, etimologicamente, "addiction" significa "contar ou dizer ou ditar".

E, como muitos toxicodependentes bem sabem, é exatamente isso que a toxicodependência faz - diz-nos o que fazer; dita-nos as suas condições; controla o nosso comportamento.

O vício não é a mesma coisa que um hábito. Embora ambos comecem conscientemente, num hábito, a pessoa sente algum grau de controlo sobre o hábito. Quando se trata de vício, a pessoa sente que perdeu o controlo e que outra coisa a está a controlar. Não consegue evitá-lo. As coisas foram longe demais.

As pessoas não têm dificuldade em admitir que podem abandonar os seus hábitos sempre que quiserem, mas quando se tornam dependentes, a situação é diferente - sentem muito pouco controlo sobre o seu comportamento aditivo.

Razões da dependência

A dependência segue o mesmo mecanismo básico que um hábito, embora os dois não sejam mutuamente exclusivos. Fazemos algo que nos leva a uma recompensa agradável. E quando fazemos a atividade um número suficiente de vezes, começamos a desejar a recompensa ao encontrar um estímulo associado à recompensa.

Este estímulo pode ser externo (ver uma garrafa de vinho) ou interno (recordar a última vez que se deu um pontapé).

Seguem-se as razões mais comuns que levam as pessoas a ficarem viciadas em determinadas actividades:

Veja também: Orientação corporal na comunicação não-verbal

1) Hábitos descontrolados

Ao contrário dos hábitos, as dependências criam uma espécie de dependência da pessoa em relação à substância ou atividade a que está viciada.

Por exemplo, uma pessoa pode ter experimentado drogas inicialmente por curiosidade, mas a mente aprende que "as drogas são prazerosas" e, sempre que precisa de prazer, motiva a pessoa a voltar às drogas. Sem dar por isso, terá criado uma forte dependência das drogas.

Tudo o que fazemos ensina algo à nossa mente. Se o que fazemos é registado pela nossa mente como "doloroso", isso vai motivar-nos a evitar o comportamento no futuro, e se o que fazemos é registado como "agradável", isso vai motivar-nos a repetir esse comportamento no futuro.

As motivações do cérebro para procurar o prazer e evitar a dor (baseadas na libertação do neurotransmissor dopamina1) são muito poderosas e ajudaram os nossos antepassados a sobreviver, motivando-os a procurar sexo e comida e a evitar o perigo (a dopamina também é libertada em situações adversas2).

Por isso, é melhor não ensinar a sua mente a procurar qualquer coisa que possa ser aparentemente agradável, mas que a longo prazo o transforme num escravo.

Esta TED Talk que explica como caímos nesta armadilha do prazer e como recuperar dela é a melhor que já vi:

2) Ainda não consegui o que estava à procura

Todas as dependências não são necessariamente prejudiciais. Todos nós temos necessidades e as acções que praticamos são quase sempre dirigidas para a satisfação dessas necessidades. Algumas das nossas necessidades são mais fortes do que outras.

Por conseguinte, as acções que realizamos para satisfazer as nossas necessidades mais fortes serão fortemente motivadas e mais frequentes do que outras acções não relacionadas ou indiretamente relacionadas com as nossas necessidades mais fortes.

Por detrás de qualquer ação excessiva, existe uma forte necessidade, que não se aplica apenas às nossas necessidades biológicas básicas, mas também às nossas necessidades psicológicas.

Uma pessoa viciada no trabalho (workaholic) ainda não atingiu todos os seus objectivos profissionais. Uma pessoa viciada em socializar não está satisfeita com a sua vida social a um determinado nível.

3) Incerteza quanto à recompensa

A razão pela qual gostamos de presentes embrulhados é o facto de não sabermos o que contêm e de nos sentirmos tentados a abri-los assim que podemos. Da mesma forma, uma das razões pelas quais as pessoas ficam viciadas nas redes sociais é o facto de, sempre que as consultam, esperarem uma recompensa - uma mensagem, uma notificação ou um post engraçado.

Veja também: Expressão facial triste descodificada

A incerteza sobre o tipo e a dimensão da recompensa motiva-nos fortemente a repetir a atividade que a ela conduz.

É por isso que actividades como o jogo (que tem características comportamentais semelhantes às da toxicodependência3) são viciantes, porque nunca se sabe o que nos espera.

Também explica porque é que os jogos de cartas, como o póquer, podem ser tão viciantes. Nunca se sabe que tipo de cartas se vai obter com a baralhação aleatória, por isso continua-se a jogar sem parar, na esperança de obter boas cartas de cada vez.

Referências

  1. Esch, T., & Stefano, G. B. (2004). A neurobiologia do prazer, os processos de recompensa, a dependência e as suas implicações para a saúde. Cartas de Neuroendocrinologia , 25 (4), 235-251.
  2. Robinson, T. E., & Berridge, K. C. (2000), The psychology and neurobiology of addiction: an incentive-sensitization view. Dependência , 95 (8s2), 91-117.
  3. Blanco, C., Moreyra, P., Nunes, E. V., Saiz-Ruiz, J., & Ibanez, A. (2001, julho). Jogo patológico: dependência ou compulsão? Seminários em neuropsiquiatria clínica (Vol. 6, n.º 3, pp. 167-176).

Thomas Sullivan

Jeremy Cruz é um psicólogo experiente e autor dedicado a desvendar as complexidades da mente humana. Apaixonado por compreender as complexidades do comportamento humano, Jeremy esteve ativamente envolvido em pesquisa e prática por mais de uma década. Ele possui um Ph.D. em Psicologia por uma instituição renomada, onde se especializou em psicologia cognitiva e neuropsicologia.Por meio de sua extensa pesquisa, Jeremy desenvolveu uma visão profunda de vários fenômenos psicológicos, incluindo memória, percepção e processos de tomada de decisão. Sua experiência também se estende ao campo da psicopatologia, com foco no diagnóstico e tratamento de transtornos de saúde mental.A paixão de Jeremy por compartilhar conhecimento o levou a criar seu blog, Understanding the Human Mind. Ao selecionar uma vasta gama de recursos de psicologia, ele pretende fornecer aos leitores informações valiosas sobre as complexidades e nuances do comportamento humano. De artigos instigantes a dicas práticas, Jeremy oferece uma plataforma abrangente para quem busca aprimorar sua compreensão da mente humana.Além de seu blog, Jeremy também dedica seu tempo ao ensino de psicologia em uma importante universidade, alimentando as mentes de aspirantes a psicólogos e pesquisadores. Seu estilo de ensino envolvente e desejo autêntico de inspirar os outros fazem dele um professor altamente respeitado e procurado na área.As contribuições de Jeremy para o mundo da psicologia vão além da academia. Ele publicou vários artigos de pesquisa em revistas conceituadas, apresentando suas descobertas em conferências internacionais e contribuindo para o desenvolvimento da disciplina. Com sua forte dedicação ao avanço de nossa compreensão da mente humana, Jeremy Cruz continua a inspirar e educar leitores, aspirantes a psicólogos e colegas pesquisadores em sua jornada para desvendar as complexidades da mente.