O altruísmo recíproco em psicologia

 O altruísmo recíproco em psicologia

Thomas Sullivan

O altruísmo recíproco ou reciprocidade em psicologia é definido como a tendência das pessoas para retribuírem favores. Embora o altruísmo recíproco seja observado nas relações de parentesco, é comum nas amizades. Não será exagerado dizer que as amizades e outras relações não familiares se baseiam no altruísmo recíproco.

Considere o seguinte cenário:

Era o aniversário da colega de trabalho de Mónica. Há quatro anos que trabalhavam juntas. Anteriormente, limitavam-se a cumprimentar-se nos respectivos aniversários. Mas este ano, a colega de trabalho de Mónica ofereceu-lhe um presente no seu aniversário. Mónica sentiu-se compelida a fazer o mesmo por ela, apesar de nunca o ter feito antes.

Quando alguém nos faz um favor, porque é que sentimos vontade de o retribuir?

Porque é que é provável que ajudemos aqueles que já nos ajudaram antes?

Porque é que compramos prendas a quem faz o mesmo por nós?

Altruísmo recíproco

É de esperar actos altruístas por parte da família mais próxima - os parentes genéticos mais próximos. Isto porque, ao ajudarem-se mutuamente a sobreviver e a reproduzir-se, uma família está essencialmente a ajudar os seus genes partilhados a passar com sucesso para a geração seguinte. Faz sentido de uma perspetiva evolutiva.

Mas o que explica o altruísmo fora da família?

Porque é que as pessoas criam laços estreitos com aqueles que não são seus familiares?

O fenómeno psicológico chamado altruísmo recíproco é responsável por isso. O altruísmo recíproco não é mais do que o benefício mútuo. Criamos laços com as pessoas e ajudamo-las para podermos ser ajudados em troca. As amizades e as relações simplesmente não podem existir sem a perspetiva de benefício mútuo.

Quando digo benefício mútuo, este benefício não tem necessariamente de ser um benefício material. Os benefícios podem ser de todas as formas e feitios, desde materiais a psicológicos (como o companheirismo).

Origens do altruísmo recíproco

Durante a maior parte da nossa história evolutiva, a caça foi uma atividade importante para a obtenção de alimentos. Mas o sucesso da caça era imprevisível: numa semana, o caçador obtinha mais carne do que a necessária e, noutra, não obtinha nada.

Veja também: Quais são as causas do favoritismo parental?

A isto acresce o facto de a carne não poder ser armazenada durante muito tempo e de se estragar facilmente, pelo que os nossos antepassados caçadores só conseguiam sobreviver se, de alguma forma, assegurassem um abastecimento contínuo de alimentos.

Isto gerou uma pressão de seleção para o altruísmo recíproco, o que significa que aqueles que tinham tendências altruístas mútuas tinham mais probabilidades de sobreviver e de se reproduzir mais do que aqueles que não tinham essas tendências.

Os que foram ajudados - ajudaram outros no futuro. Portanto, as tendências altruístas estão generalizadas entre os humanos de hoje.

O altruísmo recíproco também se encontra no reino animal. Os chimpanzés, os nossos primos mais próximos, formam alianças para aumentar as suas hipóteses de sobrevivência e reprodução. Uma aliança macho-macho dominante nos chimpanzés tem mais probabilidades de reproduzir mais do que os outros machos.

Os morcegos vampiros que sugam o sangue do gado durante a noite nem sempre são bem sucedidos. Observou-se que estes morcegos fornecem sangue regurgitado aos seus "amigos" quando estão em extrema necessidade. Estes "amigos" são morcegos que lhes deram sangue no passado. Formam associações estreitas entre si, apesar de não terem qualquer parentesco.

A sombra do futuro

O altruísmo recíproco é mais provável quando existe uma grande sombra de futuro. Se a outra pessoa pensa que vai interagir consigo frequentemente num futuro alargado, então tem um incentivo para ser altruísta para consigo. Espera que você também seja altruísta para com ela no futuro.

Se a outra pessoa pensa que não vai interagir consigo durante muito tempo (ou seja, uma pequena sombra do futuro), então parece não fazer sentido ser altruísta. Assim, é menos provável que as amizades ocorram quando existe uma pequena sombra do futuro.

Esta é uma das razões pelas quais a maioria das amizades nas escolas e faculdades acontece no início do ano académico, e não quando o curso está a chegar ao fim.

No início, os alunos procuram outros alunos que os possam ajudar durante o curso. Não vale a pena fazer amigos quando dificilmente se vai interagir no futuro.

Se parece que um amigo vai ser altruísta para consigo para além da faculdade, é provável que forme uma ligação duradoura com esse amigo. Se um amigo o ajudou muito no passado e você também, é provável que formem uma amizade duradoura. É porque ambos demonstraram o seu respetivo empenho no altruísmo recíproco.

O mesmo se pode dizer das relações românticas ou mesmo de negócios. Normalmente, é preciso tempo para estabelecer esse nível de confiança mútua antes de se poder viver ou trabalhar em conjunto.

Quando não há um futuro a esperar, as hipóteses de altruísmo recíproco diminuem. Tudo gira em torno do benefício mútuo.

Porque é que as relações se deterioram

Se considerarmos que o altruísmo recíproco é a cola que une as relações, é evidente que as relações se rompem quando não há altruísmo recíproco. Pode acontecer que um dos parceiros receba mais do que dá, ou que não dê nada, ou que ambos tenham retirado os seus benefícios respectivos.

Veja também: Como ser mais maduro: 25 maneiras eficazes

Seja qual for a razão, o parceiro que primeiro sente que não está a receber pelo menos tanto quanto está a dar (quanto mais, melhor), é provável que inicie a rutura.

Não podemos continuar a investir nas pessoas sem receber nada em troca. Não é uma estratégia óptima, e os nossos antepassados que poderiam ter tido tais tendências foram provavelmente eliminados do património genético.

Para concluir, por mais que as pessoas queiram acreditar nisso, não existe amor ou amizade incondicional. Simplesmente não faz qualquer sentido. O mito do amor incondicional é muito provavelmente o subproduto desta tendência humana para romantizar o amor e colocá-lo num pedestal.

A reprodução é fundamental para a evolução e o amor é normalmente o primeiro passo antes de duas pessoas poderem viver juntas, reproduzir-se e criar descendentes. Acreditar no amor incondicional é uma estratégia de auto-engano que as pessoas usam para se manterem em relações infrutíferas. Apenas para que a evolução possa fazer o seu trabalho, independentemente da felicidade e realização dos indivíduos.

Thomas Sullivan

Jeremy Cruz é um psicólogo experiente e autor dedicado a desvendar as complexidades da mente humana. Apaixonado por compreender as complexidades do comportamento humano, Jeremy esteve ativamente envolvido em pesquisa e prática por mais de uma década. Ele possui um Ph.D. em Psicologia por uma instituição renomada, onde se especializou em psicologia cognitiva e neuropsicologia.Por meio de sua extensa pesquisa, Jeremy desenvolveu uma visão profunda de vários fenômenos psicológicos, incluindo memória, percepção e processos de tomada de decisão. Sua experiência também se estende ao campo da psicopatologia, com foco no diagnóstico e tratamento de transtornos de saúde mental.A paixão de Jeremy por compartilhar conhecimento o levou a criar seu blog, Understanding the Human Mind. Ao selecionar uma vasta gama de recursos de psicologia, ele pretende fornecer aos leitores informações valiosas sobre as complexidades e nuances do comportamento humano. De artigos instigantes a dicas práticas, Jeremy oferece uma plataforma abrangente para quem busca aprimorar sua compreensão da mente humana.Além de seu blog, Jeremy também dedica seu tempo ao ensino de psicologia em uma importante universidade, alimentando as mentes de aspirantes a psicólogos e pesquisadores. Seu estilo de ensino envolvente e desejo autêntico de inspirar os outros fazem dele um professor altamente respeitado e procurado na área.As contribuições de Jeremy para o mundo da psicologia vão além da academia. Ele publicou vários artigos de pesquisa em revistas conceituadas, apresentando suas descobertas em conferências internacionais e contribuindo para o desenvolvimento da disciplina. Com sua forte dedicação ao avanço de nossa compreensão da mente humana, Jeremy Cruz continua a inspirar e educar leitores, aspirantes a psicólogos e colegas pesquisadores em sua jornada para desvendar as complexidades da mente.