Linguagem corporal: Esticar os braços acima da cabeça

 Linguagem corporal: Esticar os braços acima da cabeça

Thomas Sullivan

O gesto de linguagem corporal de esticar os braços acima da cabeça é frequentemente acompanhado de bocejo, ou seja, esticar os músculos faciais enquanto se abre a boca, e é acompanhado de uma inspiração profunda e lenta seguida de uma expiração rápida.

Veja também: O que torna uma mulher atraente para os homens

O bocejo e o esticar dos braços podem ocorrer de forma independente, mas quando ocorrem em conjunto, o gesto é designado por pandiculação .

A pandiculação é um gesto involuntário em que uma pessoa estica um ou ambos os braços acima ou ao lado da cabeça, podendo o estiramento ser sentido também na região superior das costas.

Veja também: Questionário sobre traumas de infância para adultos

Este gesto pode ser feito sentado ou de pé. Os dedos podem ou não estar entrelaçados. Os cotovelos podem ou não estar dobrados. Por vezes, a pessoa que faz este gesto também estica o pescoço, levantando o queixo e tocando na parte de trás do pescoço.

Quando feito de pé, o gesto envia uma onda de tensão e relaxamento por todo o corpo, e a pessoa levanta os calcanhares por um momento.

O esticar dos braços acima da cabeça e o bocejo podem, por vezes, ser acompanhados por um breve fechar dos olhos. Por vezes, o tronco pode ser torcido de um lado para o outro.

Todos os vertebrados são conhecidos por pandicularem de forma bastante semelhante: os cães e os gatos fazem-no várias vezes por dia, os cavalos, os leões, os tigres, os leopardos, as aves, os peixes, todos o fazem.

Isto mostra que a pandiculação é um comportamento evolutivamente antigo que se manteve em nós desde os primeiros vertebrados.

Os bebés humanos fazem-no de forma inata. Até o feto humano faz este gesto no útero, cerca de 12 semanas após a conceção.2

A pandiculação é involuntária e é controlada pelas partes mais antigas e instintivas do cérebro.

Quando é que esticamos os braços acima da cabeça?

Este gesto pode ser feito quando acordamos de manhã e quando estamos prestes a dormir. Bocejar é mais comum do que esticar os braços quando estamos prestes a dormir e, dentro de momentos, vai saber porquê.

Normalmente, este gesto é feito após um longo período de inatividade física. Por exemplo, pode dar por si a fazê-lo depois de ter estado sentado num local durante muito tempo.

O sono, como é óbvio, é também um longo período de inatividade física.

Porque é que pandiculamos? O ângulo fisiológico

Quando dormimos ou nos sentamos num sítio durante muito tempo, os nossos músculos habituam-se a não se mexerem. Os alongamentos são a forma de o corpo preparar os músculos para se mexerem de novo. Enviam uma cascata de sinais para o centro de controlo muscular do cérebro, restabelecendo as ligações entre as áreas de controlo sensorial e motor.

Também nos animais se observou que a pandiculação ocorre durante as transições de períodos de baixa para alta atividade.

Este gesto alivia qualquer tensão ou constrição nos músculos, reduzindo as hipóteses de dor, lesão ou espasmos.

Razões psicológicas para se espreguiçar e bocejar

Também podemos fazer alongamentos e bocejar para aliviar o stress psicológico. Os alongamentos são agradáveis e as pessoas sentem-se frequentemente revigoradas após uma sessão de alongamentos e bocejos.

A razão pela qual bocejamos é um pouco misteriosa, mas existem algumas explicações que fazem sentido.

A explicação que faz mais sentido é que o bocejo permite ao cérebro passar do estado de desatenção ou de repouso (não prestar atenção) para um estado de atenção (estar alerta).3

Por outras palavras, o bocejo é uma forma de o cérebro tentar voltar a estar online, uma tentativa de prestar atenção após um período de desatenção.

Enquanto os alongamentos são uma forma de despertar o corpo, o bocejo é uma forma de despertar o cérebro. Quando é necessário despertar tanto o corpo como o cérebro, pode alongar-se e bocejar.

Isto explica porque é que bocejamos quando acordamos de manhã: estamos a tentar reativar o nosso cérebro após um longo período de inconsciência para podermos prestar atenção ao nosso ambiente.

Também explica porque é que bocejamos quando estamos prestes a dormir.

Bocejar antes de dormir é uma forma de manter a atenção na tarefa em mãos. A frequência de bocejos antes de dormir aumenta quando estamos a adiar o sono para nos concentrarmos em algo.

Por um lado, o cérebro e o corpo estão cansados e querem descansar; por outro, o cérebro quer concentrar-se no trabalho ou nos estudos. Este conflito leva a bocejos contínuos - a tentativa do cérebro de o manter alerta apesar de não o querer fazer.

Por fim, quando estamos desinteressados, é difícil prestar atenção. Bocejamos quando estamos aborrecidos para podermos prestar atenção à força àquilo a que não queremos prestar atenção.

O bocejo e o espreguiçamento, apesar de ocorrerem frequentemente em conjunto, podem acontecer por razões diferentes.

Imagine que está a discursar numa conferência. Quando termina a sua apresentação de uma hora, repara que alguns membros da audiência esticam os braços, outros bocejam e outros fazem as duas coisas.

É tentador pensar que eles acharam o seu discurso aborrecido, mas depois de ler este artigo, não pode chegar a essa conclusão tão facilmente.

Os estiramentos, com ou sem bocejos, provavelmente aconteceram porque tiveram de ficar sentados no mesmo sítio durante muito tempo.

O bocejo, especialmente o bocejo sem se esticar, pode mostrar que a pessoa está cansada mentalmente, com sono ou aborrecida.

Assim, o tédio é apenas uma possibilidade entre muitas.

Referências

  1. Fraser, A. F. (1989), Pandiculation: the comparative phenomenon of systematic stretching. Ciência do comportamento animal aplicada , 23 (3), 263-268.
  2. De Vries, J. I., Visser, G. H., & Prechtl, H. F. (1982). The emergence of fetal behaviour. I. Qualitative aspects. Desenvolvimento humano precoce , 7 (4), 301-322.
  3. Walusinski, O. (2014): Como o bocejo muda a rede de modo padrão para a rede de atenção, activando o fluxo de fluido cerebrospinal. Anatomia clínica , 27 (2), 201-209.

Thomas Sullivan

Jeremy Cruz é um psicólogo experiente e autor dedicado a desvendar as complexidades da mente humana. Apaixonado por compreender as complexidades do comportamento humano, Jeremy esteve ativamente envolvido em pesquisa e prática por mais de uma década. Ele possui um Ph.D. em Psicologia por uma instituição renomada, onde se especializou em psicologia cognitiva e neuropsicologia.Por meio de sua extensa pesquisa, Jeremy desenvolveu uma visão profunda de vários fenômenos psicológicos, incluindo memória, percepção e processos de tomada de decisão. Sua experiência também se estende ao campo da psicopatologia, com foco no diagnóstico e tratamento de transtornos de saúde mental.A paixão de Jeremy por compartilhar conhecimento o levou a criar seu blog, Understanding the Human Mind. Ao selecionar uma vasta gama de recursos de psicologia, ele pretende fornecer aos leitores informações valiosas sobre as complexidades e nuances do comportamento humano. De artigos instigantes a dicas práticas, Jeremy oferece uma plataforma abrangente para quem busca aprimorar sua compreensão da mente humana.Além de seu blog, Jeremy também dedica seu tempo ao ensino de psicologia em uma importante universidade, alimentando as mentes de aspirantes a psicólogos e pesquisadores. Seu estilo de ensino envolvente e desejo autêntico de inspirar os outros fazem dele um professor altamente respeitado e procurado na área.As contribuições de Jeremy para o mundo da psicologia vão além da academia. Ele publicou vários artigos de pesquisa em revistas conceituadas, apresentando suas descobertas em conferências internacionais e contribuindo para o desenvolvimento da disciplina. Com sua forte dedicação ao avanço de nossa compreensão da mente humana, Jeremy Cruz continua a inspirar e educar leitores, aspirantes a psicólogos e colegas pesquisadores em sua jornada para desvendar as complexidades da mente.