Causas da frustração e como lidar com ela

 Causas da frustração e como lidar com ela

Thomas Sullivan

O que é que causa frustração?

Porque é que as pessoas se enfurecem por vezes?

A resposta está na emoção da frustração. Os sentimentos de frustração são causados quando alguém ou alguma coisa nos impede de conseguir ou fazer o que queremos.

Os seres humanos são organismos que procuram continuamente a satisfação das suas necessidades e objectivos. É comum experimentarmos sentimentos de frustração de vez em quando.

Mas porquê? Qual é o objetivo da frustração?

A nossa mente envia-nos a emoção da frustração quando constata que as nossas acções actuais são ineficazes para nos ajudar a atingir os nossos objectivos.

Assim, ao gerar sentimentos de frustração, a sua mente está a dizer-lhe para parar de fazer o que está a fazer e procurar formas alternativas e mais eficazes.

A frustração permite-nos recuar, pensar e perceber por que razão as nossas acções actuais são ineficazes e quais as alternativas possíveis que podemos explorar.

Veja também: Níveis de inconsciência (Explicado)

Um aluno que não se consegue preparar para um teste pode ficar frustrado.

Veja também: Sinais do universo ou coincidência?

Um pai que não consegue acalmar o seu filho que chora pode sentir-se frustrado.

Um vendedor que não consegue efetuar uma venda pode sentir-se frustrado.

Um patrão pode ficar frustrado com a atitude descuidada do seu empregado.

Frustração e impotência

A frustração e o desamparo são emoções diferentes. A frustração pode ser considerada como uma fase inicial do desamparo, se a pessoa acreditar que não há saída.

Se uma pessoa não consegue alcançar o que quer, pode sentir-se frustrada, mas se acredita que não há nada que possa fazer, também se sente impotente.

Frustração e flexibilidade

Se for suficientemente flexível, poderá sentir menos frustração do que os outros. As pessoas ficam sobrecarregadas devido à frustração e sentem-se impotentes e presas se não forem flexíveis. Ser flexível significa simplesmente acreditar que há sempre outra forma de fazer uma coisa.

As pessoas criativas são, por isso, mais flexíveis. Se alguém se sente preso e desamparado por acreditar que não há saída, sente-se mal. Se a sua frustração se prolongar no tempo, pode perder a esperança e ficar deprimido.

Como a frustração pode levar à raiva

Por vezes, quando as pessoas se sentem frustradas, podem também tornar-se agressivas. A frustração faz-nos sentir mal e carrega-nos com energia negativa. Todos nós queremos ser psicologicamente estáveis e qualquer energia extra que nos torne instáveis tem de ser libertada de uma forma ou de outra.

Assim, quando estamos carregados de más emoções devido à frustração, sentimo-nos compelidos a descarregar a nossa energia negativa extra nas pessoas, tornando-nos agressivos.

Quantas vezes se comportou de forma agressiva com alguém só porque estava zangado por se sentir frustrado?

Os viciados em videojogos têm tendência a comportar-se de forma agressiva com os seus familiares e com as pessoas que os rodeiam logo após uma sessão de jogo, normalmente porque não conseguiram ganhar um jogo ou passar uma fase.

Quando alguém mostra agressividade nestes casos, sente-se melhor porque consegue libertar a sua frustração (perda de controlo + sentimento de derrota), o que o ajuda a recuperar o controlo e a parecer superior.

O mesmo acontece com a raiva, que não é causada apenas por frustração excessiva, mas também quando nos sentimos magoados, humilhados e desonrados de alguma forma.

A raiva é um ataque de fúria extrema que leva as pessoas a partir e deitar fora coisas, a danificar bens e a usar violência contra outros.

Não é raro encontrar estudantes frustrados por não conseguirem resolver um problema difícil, que deitam fora os seus livros e canetas e batem nas mesas. A mecânica subjacente à raiva é simples e está relacionada com a estabilidade psicológica de uma pessoa.

A raiva enche a pessoa de energia negativa, porque experimenta uma raiva extrema e sente que perdeu o controlo sobre a sua vida. Ao partir coisas e usar violência, liberta o excesso de energia e recupera o sentido de controlo.

Como resultado, sentem-se muito melhor e estáveis, mas por um breve período de tempo.

Os sentimentos de raiva obrigam-nos muitas vezes a fazer coisas que mais tarde resultam em culpa e acabamos por nos sentir pior devido à culpa e ao arrependimento. Sob o efeito destas emoções, a pessoa sente-se motivada a ficar sozinha e algumas chegam mesmo a chorar.

A frustração combinada com a raiva tende a tornar-nos agressivos, levando-nos a comportarmo-nos de forma muito primitiva.

Lidar com a frustração

Compreender porque é que se está a sentir frustrado é metade do trabalho de lidar com a frustração. Quando algo frustra as pessoas, muitas vezes não conseguem identificar o que causou a sua frustração em primeiro lugar. Simplesmente atacam os outros sem pensar.

A realidade é que já se estavam a sentir mal, mesmo antes de começarem a atacar. Já estavam de mau humor e cheios de energia negativa. Só precisavam de uma desculpa para libertar essa energia negativa em alguma pessoa ou objeto.

Se tivessem tido consciência de si próprios e percebido o que lhes causava a frustração, teriam tido o cuidado de canalizar a sua energia extra para eliminar a fonte de frustração ou encontrar formas alternativas de atingir os seus objectivos.

Conclusão

A frustração é apenas a sua mente a pedir-lhe para mudar as suas acções actuais porque não o estão a ajudar. Sentir-se frustrado de vez em quando é normal, mas se continuar durante muito tempo, pode causar problemas de raiva e de relacionamento.

Thomas Sullivan

Jeremy Cruz é um psicólogo experiente e autor dedicado a desvendar as complexidades da mente humana. Apaixonado por compreender as complexidades do comportamento humano, Jeremy esteve ativamente envolvido em pesquisa e prática por mais de uma década. Ele possui um Ph.D. em Psicologia por uma instituição renomada, onde se especializou em psicologia cognitiva e neuropsicologia.Por meio de sua extensa pesquisa, Jeremy desenvolveu uma visão profunda de vários fenômenos psicológicos, incluindo memória, percepção e processos de tomada de decisão. Sua experiência também se estende ao campo da psicopatologia, com foco no diagnóstico e tratamento de transtornos de saúde mental.A paixão de Jeremy por compartilhar conhecimento o levou a criar seu blog, Understanding the Human Mind. Ao selecionar uma vasta gama de recursos de psicologia, ele pretende fornecer aos leitores informações valiosas sobre as complexidades e nuances do comportamento humano. De artigos instigantes a dicas práticas, Jeremy oferece uma plataforma abrangente para quem busca aprimorar sua compreensão da mente humana.Além de seu blog, Jeremy também dedica seu tempo ao ensino de psicologia em uma importante universidade, alimentando as mentes de aspirantes a psicólogos e pesquisadores. Seu estilo de ensino envolvente e desejo autêntico de inspirar os outros fazem dele um professor altamente respeitado e procurado na área.As contribuições de Jeremy para o mundo da psicologia vão além da academia. Ele publicou vários artigos de pesquisa em revistas conceituadas, apresentando suas descobertas em conferências internacionais e contribuindo para o desenvolvimento da disciplina. Com sua forte dedicação ao avanço de nossa compreensão da mente humana, Jeremy Cruz continua a inspirar e educar leitores, aspirantes a psicólogos e colegas pesquisadores em sua jornada para desvendar as complexidades da mente.