As mulheres são mais sensíveis ao tato do que os homens?

 As mulheres são mais sensíveis ao tato do que os homens?

Thomas Sullivan

Este artigo vai responder à pergunta: as mulheres são mais sensíveis ao toque? Mas, primeiro, quero que veja o seguinte cenário:

Mike estava a ter uma discussão com a sua namorada Rita. No meio de uma troca de palavras odiosas, Rita decidiu que já estava farta e virou-se para se ir embora.

Mike agarrou-lhe o braço, numa tentativa de a impedir de sair, querendo continuar a altercação. Foi nesse preciso momento que Rita se afastou e gritou com raiva: "Não me toques!".

Agora, a minha pergunta é a seguinte: se fosse o Mike a tentar sair e a Rita a impedi-lo de o fazer, teria dito a mesma coisa?

Porque é que nunca ouvimos os homens dizerem "Não me toques" às suas parceiras numa relação quando estão zangados ou emocionalmente desligados delas?

A resposta curta é: não interessa aos homens. Os homens não se preocupam tanto com o toque e o contacto como as mulheres nas relações.

As mulheres e o tato

A razão pela qual as mulheres atribuem uma enorme importância ao toque nas relações é o facto de verem o toque como uma parte crucial da criação de laços, dando mais importância aos mimos dos seus homens, amigos e filhos.

Isto é evidente nos gestos típicos de saudação das mulheres com as suas amigas do mesmo sexo. Elas apertam as mãos, abraçam e beijam as suas melhores amigas. Veja as fotografias que as mulheres carregam nas redes sociais com as suas amigas. Verá frequentemente que elas estão muito próximas umas das outras, abraçando-se com força, acariciando-se e, por vezes, até se beijando, se não estiverem a fazer cara de beicinho.

Veja também: Linguagem corporal das mãos nos bolsos

Os homens heterossexuais evitam tocar nos seus amigos do sexo masculino de forma "inapropriada" e tanto os homens como as mulheres demonstram uma atitude de repulsa para com aqueles que o fazem, suspeitando frequentemente que são homossexuais.

Alguns apelidaram este fenómeno comum de "falta de toque platónico na vida dos homens" e culpam a sociedade por este comportamento estereotipado. É mais provável que se trate de uma reação visceral que nada tem a ver com a influência da sociedade, uma vez que este comportamento é transversal a todas as culturas.

A razão por detrás de tudo isto é que os homens não consideram o toque essencial para a criação de laços sociais, pelo menos não tão importante como as mulheres, o que se deve ao facto de terem uma sensibilidade ao toque inferior à das mulheres.

Está tudo na pele

A pele é o órgão do tato e, se as mulheres dão mais importância ao toque, faz todo o sentido supor que a sua sensibilidade cutânea seja maior do que a dos homens. Estudos realizados revelaram que as mulheres são mais sensíveis à pressão exercida sobre a pele em todas as partes do corpo.1 Uma análise microscópica da pele das mulheres revelou que estas têm mais receptores nervosos na pele.2

Além disso, a maior sensibilidade das mulheres ao tato (pelo menos nas mãos) pode dever-se ao facto de terem dedos mais pequenos do que os homens.

As pessoas que têm dedos mais pequenos têm um sentido de toque mais fino e os investigadores acreditam que isso se deve ao facto de os dedos mais pequenos terem provavelmente receptores sensoriais mais espaçados. No entanto, isto também se aplica aos homens. Os homens que têm dedos mais pequenos (o que é um caso raro) têm uma maior sensibilidade ao toque.3

A simples observação diz-nos que a pele dos homens tende a ser mais grossa do que a das mulheres. É por isso que a pele das mulheres enruga mais facilmente à medida que envelhecem.

Maior sensibilidade = maior dor

Se as mulheres têm mais receptores nervosos na pele, é óbvio que devem sentir mais dor do que os homens.

Veja também: Porque é que sinto que a morte está próxima?" (6 razões)

Os estudos têm demonstrado consistentemente que as mulheres apresentam maior sensibilidade à dor, maior facilitação da dor e menor inibição da dor em comparação com os homens.4

Mas o que é que o homem ganharia, em termos evolutivos, se tivesse uma menor sensibilidade à dor?

Quando a puberdade atinge os homens e os seus corpos os preparam para a "caça", perdem a maior parte da sua sensibilidade ao toque.5

Os homens ancestrais precisavam de corpos dessensibilizados porque se deparavam com situações indutoras de dor com mais frequência do que as mulheres. Tinham de perseguir as suas presas através de arbustos espinhosos e lutar com os seus inimigos. Não se podiam preocupar em sentir dor nessas circunstâncias. Não podiam deixar que a dor os impedisse de fazer o que era fundamental para a sua sobrevivência.

Muitos homens já passaram por essa experiência, normalmente na adolescência, em que estão tão empenhados num jogo ao ar livre que não fazem ideia de que rasparam o joelho. Nem sequer sentem a dor durante todo o jogo, mas só depois - quando a sua atenção é atraída para o joelho a sangrar e com cicatrizes.

Evolução, mulheres, toque e laços sociais

A razão pela qual as mulheres têm uma maior sensibilidade ao toque, que facilita a criação de laços sociais, pode dever-se ao facto de terem evoluído como cuidadoras e educadoras naturais.

Os bebés humanos, ao contrário de outros mamíferos, necessitam de períodos prolongados de cuidados e carinho. A maior sensibilidade ao toque nas mulheres asseguraria que os bebés humanos recebessem todos os cuidados e carinho extra de que necessitam, ao mesmo tempo que as mulheres se sentiriam bem ao prestá-los.

O contacto físico com os bebés é fundamental para o seu desenvolvimento físico e psicológico. Não só reduz os níveis de stress da mãe e do bebé, como também um estudo realizado com bebés prematuros demonstrou que os benefícios que receberam do toque amplo das mães se estenderam até aos primeiros 10 anos de vida.6

Por conseguinte, a importância que as mulheres dão ao toque nas relações é provavelmente uma extensão da sua predisposição para proporcionar um contacto pele a pele adequado aos seus bebés.

Referências

  1. Moir, A. P., & Jessel, D. (1997). Sexo no cérebro American Society of Plastic Surgeons (2005, October 25): Study Reveals Reason Women Are More Sensitive To Pain Than Men. ScienceDaily Obtido em 22 de julho de 2017, de www.sciencedaily.com/releases/2005/10/051025073319.htm
  2. Society for Neuroscience (2009, 28 de dezembro) - As mulheres tendem a ter um melhor sentido do tato devido ao tamanho mais pequeno dos dedos. ScienceDaily Obtido em 22 de julho de 2017, de www.sciencedaily.com/releases/2009/12/091215173017.htm
  3. Bartley, E. J., & Fillingim, R. B. (2013). diferenças sexuais na dor: uma breve revisão dos resultados clínicos e experimentais. Jornal britânico de anestesia , 111 (1), 52-58.
  4. Pease, A., & Pease, B. (2016). Porque é que os homens não ouvem e as mulheres não sabem ler mapas: Como detetar as diferenças na forma como os homens e as mulheres pensam Hachette UK.
  5. Feldman, R., Rosenthal, Z., & Eidelman, A. I. (2014). O contacto pele-a-pele materno-prematuro melhora a organização fisiológica e o controlo cognitivo da criança ao longo dos primeiros 10 anos de vida. Psiquiatria biológica , 75 (1), 56-64.

Thomas Sullivan

Jeremy Cruz é um psicólogo experiente e autor dedicado a desvendar as complexidades da mente humana. Apaixonado por compreender as complexidades do comportamento humano, Jeremy esteve ativamente envolvido em pesquisa e prática por mais de uma década. Ele possui um Ph.D. em Psicologia por uma instituição renomada, onde se especializou em psicologia cognitiva e neuropsicologia.Por meio de sua extensa pesquisa, Jeremy desenvolveu uma visão profunda de vários fenômenos psicológicos, incluindo memória, percepção e processos de tomada de decisão. Sua experiência também se estende ao campo da psicopatologia, com foco no diagnóstico e tratamento de transtornos de saúde mental.A paixão de Jeremy por compartilhar conhecimento o levou a criar seu blog, Understanding the Human Mind. Ao selecionar uma vasta gama de recursos de psicologia, ele pretende fornecer aos leitores informações valiosas sobre as complexidades e nuances do comportamento humano. De artigos instigantes a dicas práticas, Jeremy oferece uma plataforma abrangente para quem busca aprimorar sua compreensão da mente humana.Além de seu blog, Jeremy também dedica seu tempo ao ensino de psicologia em uma importante universidade, alimentando as mentes de aspirantes a psicólogos e pesquisadores. Seu estilo de ensino envolvente e desejo autêntico de inspirar os outros fazem dele um professor altamente respeitado e procurado na área.As contribuições de Jeremy para o mundo da psicologia vão além da academia. Ele publicou vários artigos de pesquisa em revistas conceituadas, apresentando suas descobertas em conferências internacionais e contribuindo para o desenvolvimento da disciplina. Com sua forte dedicação ao avanço de nossa compreensão da mente humana, Jeremy Cruz continua a inspirar e educar leitores, aspirantes a psicólogos e colegas pesquisadores em sua jornada para desvendar as complexidades da mente.