5 razões para o erro de atribuição fundamental

 5 razões para o erro de atribuição fundamental

Thomas Sullivan

Sabe qual é o maior fator que causa problemas nas relações? É um fenómeno chamado erro de atribuição fundamental baseado numa teoria de Psicologia Social chamada Teoria da Atribuição.

Antes de falarmos sobre as razões para o erro de atribuição fundamental, vamos compreender corretamente o seu significado. Considere o seguinte cenário:

Sam: O que é que se passa contigo?

Rita: Demoraste uma hora a responder-me. Ainda gostas de mim?

Sam: O quê? Estava numa reunião. É claro que gosto de ti.

Partindo do princípio que o Sam não estava a mentir, a Rita cometeu o erro de atribuição fundamental neste exemplo.

Para compreender o erro de atribuição fundamental, é preciso primeiro compreender o que significa a atribuição. A atribuição em psicologia significa simplesmente atribuir uma causa ao comportamento e aos acontecimentos.

Quando observamos um comportamento, temos tendência a procurar razões para esse comportamento. Esta "procura de razões para um comportamento" é designada por processo de atribuição. Quando observamos um comportamento, temos uma necessidade inerente de o compreender. Por isso, tentamos explicá-lo atribuindo-lhe uma causa.

Veja também: Linguagem corporal na comunicação e no espaço pessoal

A que é que atribuímos o comportamento?

A teoria da atribuição centra-se em dois factores principais - situação e disposição.

Quando procuramos as razões subjacentes a um comportamento, atribuímos a causalidade à situação e à disposição. Os factores situacionais são factores ambientais, enquanto os factores disposicionais são os traços internos da pessoa que executa o comportamento (designados por Ator ).

Imaginemos que vemos um patrão a gritar com o seu empregado. Surgem dois cenários possíveis:

Cenário 1: Culpa o empregado pela raiva do patrão porque acha que o empregado é preguiçoso e improdutivo.

Cenário 2: Culpa o patrão pela sua raiva, porque sabe que ele se comporta sempre assim com toda a gente. Conclui que o patrão é temperamental.

Teoria da atribuição por inferência correspondente

Pergunte a si próprio: O que é que era diferente na segunda situação? Por que é que achou que o patrão era mal-humorado?

É porque tinhas provas suficientes para atribuir o seu comportamento à sua personalidade. Fizeste uma inferência correspondente sobre o seu comportamento.

Fazer uma inferência correspondente sobre o comportamento de alguém significa que atribui o seu comportamento externo às suas características internas. Há uma correspondência entre o comportamento externo e o estado mental interno. Fez uma atribuição disposicional.

Modelo de covariação

O modelo de covariação da teoria da atribuição ajuda-nos a compreender porquê As pessoas fazem atribuições disposicionais ou situacionais. Diz que as pessoas observam a covariação dos comportamentos com o tempo, o local e o alvo do comportamento antes de fazerem atribuições.

Porque é que concluiu que o patrão é temperamental? Claro que sim, porque o comportamento dele foi consistente. Só esse facto já lhe disse que as situações têm um papel menos importante no seu comportamento zangado.

De acordo com o modelo de covariação, o comportamento do chefe teve alta consistência Outros factores que o modelo de covariação analisa são consenso e carácter distintivo .

Quando um comportamento tem um elevado grau de consenso, as outras pessoas também o fazem. Quando um comportamento tem um elevado grau de distinção, é praticado apenas numa determinada situação.

Os exemplos que se seguem tornarão estes conceitos mais claros:

Veja também: "Porque é que sou tão pegajoso?" (9 grandes razões)
  • O chefe está sempre zangado com toda a gente (elevada consistência, atribuição disposicional)
  • O chefe raramente está zangado (baixa consistência, atribuição situacional)
  • Quando o chefe está zangado, os outros à sua volta também estão zangados (elevado consenso, atribuição situacional)
  • Quando o chefe está zangado, mais ninguém está (baixo consenso, atribuição disposicional)
  • O patrão só fica zangado quando um empregado faz X (elevada capacidade de distinção, atribuição situacional)
  • O chefe está sempre zangado e com toda a gente (baixa distintividade, atribuição disposicional)

Percebe-se porque é que concluiu que o patrão é temperamental em cenário 2 De acordo com o modelo de covariação, o seu comportamento tem uma elevada consistência e uma baixa distintividade.

Num mundo ideal, as pessoas seriam racionais e analisariam o comportamento dos outros através da tabela acima, chegando depois à atribuição mais provável. Mas isto nem sempre acontece. As pessoas cometem frequentemente erros de atribuição.

Erro de atribuição fundamental

Erro de atribuição fundamental significa cometer um erro na atribuição da causalidade ao comportamento. Ocorre quando atribuímos o comportamento a factores disposicionais mas os factores situacionais são mais prováveis e quando atribuímos o comportamento a factores situacionais mas os factores disposicionais são mais prováveis.

Embora o erro de atribuição fundamental seja basicamente isto, parece ocorrer de algumas formas específicas. As pessoas parecem ter uma maior tendência para atribuir o comportamento dos outros a factores disposicionais. Por outro lado, as pessoas atribuem o seu próprio comportamento a factores situacionais.

"Quando os outros fazem alguma coisa, é o que eles são. Quando eu faço alguma coisa, foi a minha situação que me obrigou a fazê-lo."

As pessoas nem sempre atribuem os seus próprios comportamentos a factores situacionais. Muito depende do facto de o resultado do comportamento ser positivo ou negativo. Se for positivo, as pessoas assumem o crédito por ele, mas se for negativo, culpam os outros ou o ambiente.

Isto é conhecido como o viés de autosserviço porque, de qualquer forma, a pessoa está a servir-se a si própria, construindo/mantido a sua reputação e autoestima ou prejudicando a reputação dos outros.

Assim, podemos também entender o erro de atribuição fundamental como a seguinte regra:

" Quando os outros fazem algo de errado, são eles os culpados. Quando eu faço algo de errado, a culpa é da minha situação, não minha. "

Experiência de erro de atribuição fundamental

A compreensão moderna deste erro baseia-se num estudo realizado no final da década de 1960, no qual um grupo de estudantes leu ensaios sobre Fidel Castro, uma figura política, escritos por outros estudantes que ou elogiavam Castro ou escreviam negativamente sobre ele.

Quando os leitores eram informados de que o escritor tinha escolhido o tipo de ensaio a escrever, positivo ou negativo, atribuíam esse comportamento à disposição. Se um escritor tivesse escolhido escrever um ensaio a elogiar Castro, os leitores deduziam que o escritor gostava de Castro.

Do mesmo modo, quando os escritores optavam por derrogar Castro, os leitores deduziam que os primeiros odiavam Castro.

O que é interessante é que o mesmo efeito foi encontrado quando os leitores foram informados de que os escritores foram seleccionados aleatoriamente para escrever a favor ou contra Castro.

Nesta segunda condição, os autores não tiveram escolha quanto ao tipo de ensaio, mas os leitores deduziram que aqueles que elogiaram Castro gostavam dele e aqueles que não o elogiaram, odiavam-no.

Assim, a experiência mostrou que as pessoas fazem atribuições erróneas sobre a disposição de outras pessoas (gosta de Castro) com base no seu comportamento (escreveu um ensaio a elogiar Castro), mesmo que esse comportamento tenha uma causa situacional (foi-lhe pedido aleatoriamente que elogiasse Castro).

Exemplos de erros de atribuição fundamentais

Quando não recebe uma mensagem de texto do seu parceiro, assume que ele o está a ignorar (disposição) em vez de assumir que ele pode estar ocupado (situação).

Alguém que circula atrás de si buzina repetidamente, deduz que se trata de uma pessoa irritante (disposição) em vez de presumir que pode estar com pressa para chegar ao hospital (situação).

Quando os seus pais não ouvem as suas exigências, pensa que eles não se preocupam (disposição), em vez de considerar a possibilidade de as suas exigências serem irrealistas ou prejudiciais para si (situação).

Quais são as causas do erro de atribuição fundamental?

1. perceção do comportamento

O erro de atribuição fundamental resulta da forma como percepcionamos de forma diferente o nosso próprio comportamento e o comportamento dos outros. Quando percepcionamos o comportamento dos outros, vemo-los essencialmente em movimento enquanto o seu ambiente permanece constante.

Não atribuímos o seu comportamento ao ambiente, porque a nossa atenção é desviada do ambiente.

Pelo contrário, quando percepcionamos o nosso próprio comportamento, o nosso estado interno parece constante enquanto o ambiente que nos rodeia muda. Por isso, concentramo-nos no nosso ambiente e atribuímos o nosso comportamento às mudanças que nele ocorrem.

2. fazer previsões sobre o comportamento

O erro de atribuição fundamental permite que as pessoas recolham informações sobre os outros. Saber o máximo que pudermos sobre os outros ajuda-nos a fazer previsões sobre o seu comportamento.

Somos tendenciosos a recolher o máximo de informação possível sobre as outras pessoas, mesmo que isso nos leve a cometer erros. Isso ajuda-nos a saber quem são os nossos amigos e quem não são; quem nos trata bem e quem não nos trata.

Por isso, somos rápidos a atribuir os comportamentos negativos dos outros à sua disposição e consideramo-los culpados, a menos que sejamos convencidos do contrário.

Ao longo do tempo evolutivo, os custos de fazer uma inferência errónea sobre a disposição de uma pessoa foram mais elevados do que os custos de fazer uma inferência errónea sobre a sua situação.2

Por outras palavras, se alguém faz batota, é melhor rotulá-lo de batoteiro e esperar que se comporte da mesma forma no futuro do que culpar a sua situação única. Culpar a situação única de alguém não nos diz nada sobre essa pessoa e sobre a forma como é provável que se comporte no futuro. Por isso, estamos menos inclinados a fazê-lo.

O facto de não rotularmos, de não derrogamos e de não castigarmos um batoteiro terá consequências futuras mais drásticas para nós do que se o acusarmos injustamente, quando não temos nada a perder.

3. "As pessoas têm o que merecem"

Acreditamos que a vida é justa e que as pessoas têm o que merecem. Esta crença dá-nos uma sensação de segurança e controlo num mundo aleatório e caótico. Acreditar que somos responsáveis pelo que nos acontece dá-nos uma sensação de alívio por termos uma palavra a dizer sobre o que nos acontece.

A indústria da autoajuda há muito que explora esta tendência das pessoas. Não há nada de errado em querermos confortar-nos acreditando que somos responsáveis por tudo o que nos acontece. Mas a coisa toma um rumo feio com o erro fundamental de atribuição.

Não é raro que as pessoas culpem as vítimas de um acidente, de violência doméstica ou de violação pelo que lhes aconteceu.

As pessoas que culpam as vítimas pelos seus infortúnios pensam que, ao fazê-lo, se tornam de alguma forma imunes a esses infortúnios. "Não somos como eles, por isso nunca nos vai acontecer".

A lógica "as pessoas têm o que merecem" é muitas vezes aplicada quando simpatizar com as vítimas ou culpar os verdadeiros culpados conduz a uma dissonância cognitiva. Simpatizar ou culpar o verdadeiro culpado vai contra aquilo em que já acreditamos, levando-nos a racionalizar de alguma forma a tragédia.

Por exemplo, se votou no seu governo e este implementou más políticas internacionais, será difícil culpá-lo. Em vez disso, dirá: "Esses países merecem essas políticas" para reduzir a sua dissonância e reafirmar a sua fé no seu governo.

4. preguiça cognitiva

Outra razão para o erro de atribuição fundamental é o facto de as pessoas tenderem a ser cognitivamente preguiçosas, no sentido em que querem inferir coisas a partir do mínimo de informação disponível.

Quando observamos o comportamento dos outros, temos pouca informação sobre a situação do ator, não sabemos o que ele está a passar ou passou, por isso atribuímos o seu comportamento à sua personalidade.

Para ultrapassar este enviesamento, é necessário recolher mais informações sobre a situação do ator. Recolher mais informações sobre a situação do ator exige esforço.

Os estudos mostram que quando as pessoas têm menos motivação e energia para processar informações situacionais, cometem o erro fundamental de atribuição em maior grau.3

5. mentalização espontânea

Quando observamos o comportamento dos outros, assumimos que esses comportamentos são o produto dos seus estados mentais. A isto chama-se mentalização espontânea .

Temos esta tendência porque os estados mentais das pessoas e as suas acções correspondem frequentemente, pelo que consideramos as acções das pessoas como indicadores fiáveis dos seus estados mentais.

Os estados mentais (como as atitudes e as intenções) não são o mesmo que as disposições, no sentido em que são mais temporários. No entanto, estados mentais consistentes ao longo do tempo podem indicar disposições duradouras.

A investigação sugere que o processo de mentalização espontânea pode estar por detrás da tendência das pessoas para atribuírem o comportamento a causas disposicionais e não situacionais.4

Trata-se de uma situação ou de uma disposição?

O comportamento humano é muitas vezes o produto de uma situação ou de uma disposição, mas sim o produto da interação entre as duas. É claro que há comportamentos em que a situação desempenha um papel mais importante do que a disposição e vice-versa.

Se quisermos compreender o comportamento humano, devemos tentar pensar para além desta dicotomia. A concentração num fator é muitas vezes feita com o risco de ignorar outro, resultando numa compreensão incompleta.

O erro de atribuição fundamental pode ser minimizado, se não completamente evitado, lembrando que as situações têm um papel fundamental a desempenhar no comportamento humano.

Referências

  1. Jones, E. E., Davis, K. E., & Gergen, K. J. (1961). Variações do jogo de papéis e o seu valor informativo para a perceção da pessoa. O Journal of Abnormal and Social Psychology , 63 (2), 302.
  2. Andrews, P. W. (2001), The psychology of social chess and the evolution of attribution mechanisms: Explaining the fundamental attribution error. Evolução e comportamento humano , 22 (1), 11-29.
  3. Gilbert, D. T. (1989). Pensar ligeiramente sobre os outros: Componentes automáticos do processo de inferência social. Pensamento não intencional , 26 , 481.
  4. Moran, J. M., Jolly, E., & Mitchell, J. P. (2014). A mentalização espontânea prevê o erro de atribuição fundamental. Revista de neurociência cognitiva , 26 (3), 569-576.

Thomas Sullivan

Jeremy Cruz é um psicólogo experiente e autor dedicado a desvendar as complexidades da mente humana. Apaixonado por compreender as complexidades do comportamento humano, Jeremy esteve ativamente envolvido em pesquisa e prática por mais de uma década. Ele possui um Ph.D. em Psicologia por uma instituição renomada, onde se especializou em psicologia cognitiva e neuropsicologia.Por meio de sua extensa pesquisa, Jeremy desenvolveu uma visão profunda de vários fenômenos psicológicos, incluindo memória, percepção e processos de tomada de decisão. Sua experiência também se estende ao campo da psicopatologia, com foco no diagnóstico e tratamento de transtornos de saúde mental.A paixão de Jeremy por compartilhar conhecimento o levou a criar seu blog, Understanding the Human Mind. Ao selecionar uma vasta gama de recursos de psicologia, ele pretende fornecer aos leitores informações valiosas sobre as complexidades e nuances do comportamento humano. De artigos instigantes a dicas práticas, Jeremy oferece uma plataforma abrangente para quem busca aprimorar sua compreensão da mente humana.Além de seu blog, Jeremy também dedica seu tempo ao ensino de psicologia em uma importante universidade, alimentando as mentes de aspirantes a psicólogos e pesquisadores. Seu estilo de ensino envolvente e desejo autêntico de inspirar os outros fazem dele um professor altamente respeitado e procurado na área.As contribuições de Jeremy para o mundo da psicologia vão além da academia. Ele publicou vários artigos de pesquisa em revistas conceituadas, apresentando suas descobertas em conferências internacionais e contribuindo para o desenvolvimento da disciplina. Com sua forte dedicação ao avanço de nossa compreensão da mente humana, Jeremy Cruz continua a inspirar e educar leitores, aspirantes a psicólogos e colegas pesquisadores em sua jornada para desvendar as complexidades da mente.