3 Grupos de gestos comuns e o seu significado

 3 Grupos de gestos comuns e o seu significado

Thomas Sullivan

Os gestos isolados raramente são notados quando se observa a linguagem corporal. Muitas vezes, uma pessoa transmite o seu estado emocional através de mais do que um gesto e esta combinação de gestos é conhecida como um conjunto de gestos.

Ao analisar a linguagem corporal, é imperativo que tenha em conta o maior número possível de gestos, porque isso proporcionará uma imagem mais holística e clara do estado emocional atual da pessoa. Neste artigo, discutimos os significados de 3 grupos de gestos comuns:

1) A catapulta

Este conjunto de gestos é um sinal poderoso de domínio e confiança, sendo uma combinação das mãos cerradas, da testa e do gesto da figura quatro.

Quando nos sentimos confiantes em relação ao que está a acontecer, fechamos as mãos atrás da cabeça desta forma e cruzamos as pernas na posição de quatro, o que indica competência e domínio.

A pessoa está a dizer, de forma não verbal, "Eu sei tudo, tu não sabes nada" ou "Eu é que mando aqui, está tudo sob o meu controlo" ou "Eu sei mais sobre este assunto do que qualquer outra pessoa na sala".

É um gesto predominantemente masculino, porque os homens geralmente se preocupam mais com o domínio, o poder e a confiança do que as mulheres. Este gesto também pode ser feito por alguém quando quer transmitir uma atitude descontraída para o embalar numa falsa sensação de segurança antes de o emboscar.

2) A cadeira de balanço

Há duas coisas importantes a considerar neste outro gesto predominantemente masculino: primeiro, a forma como a pessoa forma uma barreira à sua frente utilizando as costas da cadeira e, segundo, a forma como este gesto permite que o homem abra as pernas (exibição das virilhas) por detrás do seu escudo artificial.

A construção de uma barreira, seja ela qual for, à frente do corpo é invariavelmente um sinal de defesa, mas quando se consegue erguer uma barreira, pode-se atacar com confiança e agressividade, tal como os soldados antigamente usavam as suas espadas com uma mão enquanto protegiam os seus corpos com escudos com a outra mão.

Ainda hoje, podemos ver agentes da polícia a usar escudos para enfrentar os manifestantes ou soldados a erguerem bunkers à sua frente enquanto disparam balas atrás de balas contra o inimigo.

Assim, embora este gesto pareça defensivo, a mensagem subjacente é de agressividade e domínio. A pessoa que faz este gesto sente-se como um gladiador pronto a lutar contra um leão, um Aníbal pronto a enfrentar os romanos.

Pode reparar neste gesto numa discussão de grupo, numa conversa amigável ou mesmo numa conversa a sós. A pessoa que faz este gesto tem grandes probabilidades de falar de forma confiante, agressiva ou argumentativa.

Perna sobre a cadeira

Neste gesto, uma pessoa sentada na sua cadeira inclina-se para trás e coloca uma perna sobre o braço da cadeira. Se o braço da cadeira for demasiado alto, a pessoa pode colocar um braço sobre ele em vez de uma perna.

Inclinar-se para trás transmite apatia e falta de preocupação, uma atitude "fixe". Colocar uma perna sobre o braço da cadeira significa que a pessoa está a reclamar a posse da cadeira e esta ação também lhe permite abrir as virilhas, um sinal de domínio.

Apatia + posse territorial + domínio

Veja também: Necessidades emocionais e o seu efeito na personalidade

Esta é a melhor combinação de estados emocionais em que um homem pode estar. Este gesto só é feito num ambiente muito confortável e descontraído, em que a pessoa sabe que nenhum perigo ou ameaça lhe pode tocar.

É frequente ver dois amigos homens assumirem esta posição quando estão a descontrair, a brincar e a rir.

É comum nos filmes, especialmente em Bollywood, que o protagonista masculino se sente nesta posição enquanto observa a dança de uma vampira, bebendo ocasionalmente um pouco de cerveja.

3) Mãos cerradas e mais

Na comunicação não-verbal, as mãos cerradas à frente do corpo são sempre um sinal de autocontrolo. A pessoa que faz este gesto pode estar a controlar a sua desaprovação, raiva, resposta negativa - praticamente qualquer coisa. Mas é sempre algo negativo.

É possível determinar com exatidão o que é que a pessoa está a reter de negativo, analisando o contexto da situação ou outros gestos complementares feitos paralelamente a este gesto.

Veja também: Quais são as causas da baixa inteligência emocional?

Apertar as mãos + tapar a boca

A pessoa que faz este gesto está a tentar não dizer algo negativo. Também pode significar que quer que alguém se cale e pare de dizer disparates. Pode até significar: "Ainda estou a pensar nisso, não tenho nada a dizer".

Apertar as mãos + mostrar os polegares

Mesmo que a pessoa esteja a exercer autocontrolo, mostrar os polegares significa que quer que os outros saibam que está tudo bem. Ou está a sentir-se reservado e dominante ao mesmo tempo ou está a esconder a sua necessidade de autocontrolo mostrando domínio.

Apertar as mãos + campanário

Observe atentamente a imagem abaixo: o gesto de mão que este homem de bigode adoptou é uma combinação do gesto de campanário e das mãos cerradas. Na verdade, é um ponto intermédio que mostra a transição entre estes dois gestos.

Ou a pessoa tinha adotado primeiro o gesto de campanário (confiança) e surgiu algo na conversa que a fez desenvolver uma atitude contida (mãos cerradas), ou está a mudar para o gesto de campanário confiante a partir do gesto de mãos cerradas.

Thomas Sullivan

Jeremy Cruz é um psicólogo experiente e autor dedicado a desvendar as complexidades da mente humana. Apaixonado por compreender as complexidades do comportamento humano, Jeremy esteve ativamente envolvido em pesquisa e prática por mais de uma década. Ele possui um Ph.D. em Psicologia por uma instituição renomada, onde se especializou em psicologia cognitiva e neuropsicologia.Por meio de sua extensa pesquisa, Jeremy desenvolveu uma visão profunda de vários fenômenos psicológicos, incluindo memória, percepção e processos de tomada de decisão. Sua experiência também se estende ao campo da psicopatologia, com foco no diagnóstico e tratamento de transtornos de saúde mental.A paixão de Jeremy por compartilhar conhecimento o levou a criar seu blog, Understanding the Human Mind. Ao selecionar uma vasta gama de recursos de psicologia, ele pretende fornecer aos leitores informações valiosas sobre as complexidades e nuances do comportamento humano. De artigos instigantes a dicas práticas, Jeremy oferece uma plataforma abrangente para quem busca aprimorar sua compreensão da mente humana.Além de seu blog, Jeremy também dedica seu tempo ao ensino de psicologia em uma importante universidade, alimentando as mentes de aspirantes a psicólogos e pesquisadores. Seu estilo de ensino envolvente e desejo autêntico de inspirar os outros fazem dele um professor altamente respeitado e procurado na área.As contribuições de Jeremy para o mundo da psicologia vão além da academia. Ele publicou vários artigos de pesquisa em revistas conceituadas, apresentando suas descobertas em conferências internacionais e contribuindo para o desenvolvimento da disciplina. Com sua forte dedicação ao avanço de nossa compreensão da mente humana, Jeremy Cruz continua a inspirar e educar leitores, aspirantes a psicólogos e colegas pesquisadores em sua jornada para desvendar as complexidades da mente.