23 Características de uma personalidade sabichona

 23 Características de uma personalidade sabichona

Thomas Sullivan

Uma pessoa sabe-tudo é alguém que pensa que sabe tudo. Tem opiniões fortes sobre quase tudo e acredita que tem sempre razão. Este comportamento é irritante para os outros porque uma pessoa sabe-tudo não é recetiva aos pontos de vista dos outros.

Outra razão pela qual as pessoas que sabem tudo são irritantes, especialmente para aqueles que sabem muito, é que ninguém pode realmente saber tudo. O conhecimento está sempre a emergir e a evoluir, por isso não há "tudo" para saber. Só podemos aumentar o nosso conhecimento, mas nunca podemos saber tudo.

Características de uma pessoa que sabe tudo

Abaixo, apresento uma lista de sinais comuns de uma pessoa sabichona. Se notar a maioria destas características em alguém, é provável que essa pessoa seja sabichona.

1. são inseguros

Uma pessoa sabe-tudo é fundamentalmente insegura sobre quem é. A insegurança leva à inferioridade, e a inferioridade ao desenvolvimento de um complexo de superioridade. Uma pessoa sabe-tudo pensa que é superior em conhecimento a toda a gente.

2. procuram chamar a atenção

Seja devido à ordem de nascimento ou à forma como foi educada, uma pessoa sabichona pode ter-se habituado a ser o centro das atenções. Ao dispensar os seus conhecimentos num ápice, tem a oportunidade de estar no centro das atenções.

3. são narcisistas

O complexo de superioridade é a marca do narcisismo. Uma pessoa sabichona é mais dissimulada no seu narcisismo, escondendo-o por detrás de uma caraterística que a sociedade valoriza - ser conhecedor.

4. são impulsivos

O impulso de entrar nas conversas e injetar os seus conhecimentos pode ser avassalador para um sabe-tudo. Falta-lhe o autocontrolo necessário para ser paciente e deixar que os outros expressem os seus pontos de vista.

5. não conseguem ler a sala

Estão tão ocupados a provar a sua superioridade que não se apercebem dos sinais não verbais que as outras pessoas dão. Principalmente, não se apercebem das expressões faciais de irritação dos outros, pelo que não se apercebem de que estão a ser irritantes.

6. o seu ego está ligado ao seu conhecimento

Uma pessoa sabichona pode ter construído toda a sua identidade em torno do seu conhecimento. Por exemplo, pode ser um académico ou um professor. Quando nos identificamos fortemente com algo, é inevitável que lhe associemos o nosso ego.

Quando isso acontece, já não se adquire conhecimento pelo conhecimento, mas para aparecer conhecedor.

7. eles não sabem eles não sabem

É o que acontece normalmente com os principiantes quando entram numa área: adquirem alguns conhecimentos e pensam que é tudo o que têm de saber.

Conhecido como o efeito Dunning-Kruger, a sua falta de consciência de que há mais para saber fá-los pensar que sabem tudo o que há para saber.

8. falam mais, ouvem menos

Uma vez que falar é uma forma de mostrar o seu conhecimento, um sabe-tudo não perde uma oportunidade para falar. Salta para as conversas e dá as suas opiniões mesmo quando ninguém lhas pede.

Têm uma fraca capacidade de escuta porque escutar significa fazer uma pausa na transmissão de conhecimentos e na aprendizagem.

9. são demasiado apegados às suas opiniões

Se o seu ego não estivesse ligado às suas opiniões, isso não aconteceria, mas como está, não estão dispostos a mudar de opinião, mesmo com provas contrárias.

10. dominam as conversas

Tentam dominar todas as conversas e dificilmente deixam os outros falar, porque têm de fazer o importante trabalho de provar os seus conhecimentos. Interrompem e mudam de assunto quando lhes apetece.

Eles conduzem as conversas para tópicos sobre os quais têm conhecimentos ou, pelo menos, têm a ilusão de que têm conhecimentos.

11. oferecem conselhos e ajuda não solicitados

Os conselhos não solicitados são sempre irritantes, mas como uma pessoa sabichona ignora o feedback social, continua a oferecê-los. Preocupam-se mais em ser a pessoa superior que pode ajudar do que em ajudar realmente.

Por isso, os seus conselhos são muitas vezes irrelevantes e inúteis, repetindo conselhos genéricos que ouviram algures, sem se preocuparem com os pormenores e com a sua aplicabilidade à situação específica do destinatário.

12. exibem os seus conhecimentos

As pessoas normalmente exibem aquilo com que se identificam. Não há nada de errado em identificar-se com o seu conhecimento, mas um sabichão exagera. Mais uma vez, é porque toda a sua identidade assenta na base de ser conhecedor. Não têm mais nada de que se gabar.

Veja também: Inventário de temperamento de Fisher (Teste)

13) Pescam argumentos

Uma pessoa sabe-tudo considera as discussões e as conversas normais aborrecidas. Prospera com discussões. Discute para ganhar e provar que é superior em termos de conhecimentos, em vez de encontrar a melhor solução ou verdade possível.

Parecem ter o dom de transformar até a mais pequena discordância numa discussão.

14. os desacordos ameaçam-nos

É normal que os seres humanos se sintam um pouco desconfortáveis quando alguém discorda deles. Mas para um sabichão, a discordância é semelhante a um ataque pessoal. Quando discordamos dele, ele pensa imediatamente em nós como o inimigo que precisa de derrotar, dando início a uma discussão.

15. as pessoas conhecedoras ameaçam-nos

Para um sabichão, as pessoas que sabem mais do que ele são uma enorme ameaça para o seu ego, assim como outras pessoas sabichonas. Evitam envolver-se com essas pessoas para não serem expostos por não saberem tanto quanto afirmam saber.

16. odeiam aqueles que lhes provam que estão errados

Ninguém gosta que lhe provem que está errado, mas um sabichão detesta isso e a pessoa que o faz. Se corrigir um sabichão ou lhe mostrar que ele está enganado, não o conduziu à luz; destruiu o seu mundo. Ele vai desprezá-lo por lhe ter retirado a sua principal ou única fonte de reforço do ego.

17. não admitem os seus erros

Admitir os erros e os fracassos significaria que sabem menos, mas preferem culpar os outros pelos seus erros.

18. são críticos

São rápidos a rotular aqueles que discordam deles de "estúpidos" ou "ignorantes".

19. gostam de corrigir os outros

Não gostam de ser corrigidos, mas gostam de corrigir os outros. Não há mal nenhum em corrigir os outros quando estão errados, mas uma pessoa sabichona fá-lo de uma forma condescendente e socialmente inadequada.

Vão rir-se com um tom superior e agir como se fosses muito burro por teres cometido o erro que cometeste. Vão apontar publicamente as tuas falhas porque querem humilhar-te mais do que corrigir-te.

20. não são ensináveis

Sentimos que não podemos ensinar nada a uma pessoa que sabe tudo, porque ela é tão avessa à aprendizagem. Ser ensinável significaria que ela não sabe tudo, e é difícil para ela estar nessa posição.

21. não se mantêm na sua faixa de rodagem

Na realidade, não se pode ser especialista em mais do que duas áreas, e muito menos em tudo. Uma pessoa sabichona vai opinar sobre assuntos e temas sobre os quais não tem nada que opinar.

Além disso, ignoram as opiniões de verdadeiros especialistas que dedicaram anos a estudar uma área.

22. respondem às suas próprias perguntas

É estranho, irritante e engraçado ao mesmo tempo. Eles fazem uma pergunta e respondem sozinhos, porque não estão realmente a questioná-lo para ouvir a sua resposta. Estão a questionar para dar eles próprios uma oportunidade para mostrarem os seus conhecimentos.

23. não param de falar

Uma pessoa sabichona divaga sem parar porque isso lhe dá a oportunidade de mostrar a amplitude e a profundidade dos seus conhecimentos.

Divagar e usar palavras grandes ajuda uma pessoa sabichona a parecer um pensador profundo. Também a ajuda a dominar a conversa. Quando divaga, nega à outra parte a oportunidade de falar.

Quando os ouvimos, temos a sensação de que aprendemos muito, mas nada de substancial ao mesmo tempo.

Veja também: Porque é que eu não presto em nada?

Thomas Sullivan

Jeremy Cruz é um psicólogo experiente e autor dedicado a desvendar as complexidades da mente humana. Apaixonado por compreender as complexidades do comportamento humano, Jeremy esteve ativamente envolvido em pesquisa e prática por mais de uma década. Ele possui um Ph.D. em Psicologia por uma instituição renomada, onde se especializou em psicologia cognitiva e neuropsicologia.Por meio de sua extensa pesquisa, Jeremy desenvolveu uma visão profunda de vários fenômenos psicológicos, incluindo memória, percepção e processos de tomada de decisão. Sua experiência também se estende ao campo da psicopatologia, com foco no diagnóstico e tratamento de transtornos de saúde mental.A paixão de Jeremy por compartilhar conhecimento o levou a criar seu blog, Understanding the Human Mind. Ao selecionar uma vasta gama de recursos de psicologia, ele pretende fornecer aos leitores informações valiosas sobre as complexidades e nuances do comportamento humano. De artigos instigantes a dicas práticas, Jeremy oferece uma plataforma abrangente para quem busca aprimorar sua compreensão da mente humana.Além de seu blog, Jeremy também dedica seu tempo ao ensino de psicologia em uma importante universidade, alimentando as mentes de aspirantes a psicólogos e pesquisadores. Seu estilo de ensino envolvente e desejo autêntico de inspirar os outros fazem dele um professor altamente respeitado e procurado na área.As contribuições de Jeremy para o mundo da psicologia vão além da academia. Ele publicou vários artigos de pesquisa em revistas conceituadas, apresentando suas descobertas em conferências internacionais e contribuindo para o desenvolvimento da disciplina. Com sua forte dedicação ao avanço de nossa compreensão da mente humana, Jeremy Cruz continua a inspirar e educar leitores, aspirantes a psicólogos e colegas pesquisadores em sua jornada para desvendar as complexidades da mente.