13 Traços de uma pessoa emocionalmente desgastante

 13 Traços de uma pessoa emocionalmente desgastante

Thomas Sullivan

Ser drenado por pessoas emocionalmente desgastantes é uma das piores experiências da vida. Apelidadas de vampiros emocionais, as pessoas emocionalmente desgastantes esgotam-no. Sente que não tem mais energia depois de interagir com essas pessoas cansativas.

Algumas pessoas, pelo contrário, enchem-nos de energia e queremos passar mais tempo com elas.

Uma pessoa emocionalmente desgastante suga mais energia de si do que a que coloca em si. É como a termodinâmica, se se lembrar das aulas do liceu. Uma interação saudável é aquela em que existe um equilíbrio entre dar e receber energia.

Há um elemento de frustração que alimenta a nossa exaustão quando estamos com pessoas emocionalmente desgastantes. Ficamos emocionalmente esgotados quando colocamos mais energia numa interação e ficamos frustrados porque a interação não vai a lado nenhum.

Traços de uma pessoa emocionalmente desgastante

Todos nós podemos ser emocionalmente desgastantes quando há um desequilíbrio de energia nas nossas interacções. As pessoas psicologicamente saudáveis notam esses desequilíbrios e tomam medidas para se reequilibrarem.

No entanto, as seguintes características aplicam-se às pessoas emocionalmente desgastantes que esgotam quase toda a gente à sua volta. Ser emocionalmente desgastante tornou-se uma parte da sua personalidade. Qualquer pessoa que interaja com elas queixa-se de que são desgastantes e exaustivas.

1. têm um elevado grau de neuroticismo

Uma pessoa emocionalmente desgastante está tipicamente na extremidade alta da dimensão Neuroticismo da personalidade. Está constantemente negativa, preocupada, ansiosa e nervosa. Todos nós experimentamos estes sentimentos de vez em quando, mas para as personalidades neuróticas, estas experiências tendem a ser pegajosas. Duram mais tempo e parecem mais intensas.

O que é que é pior?

Espalham esses sentimentos aos outros que os rodeiam, que se vêem a braços com sentimentos negativos que nem sequer são seus, acabando por ficar emocionalmente esgotados.

2. são personalidades muito conflituosas

Estão sempre à procura de dramas e conflitos. Quase todas as suas relações são más porque arrastam as pessoas para discussões e disputas desnecessárias.

3. procuram chamar a atenção

O desejo de se envolverem em dramas e conflitos tem como principal objetivo chamar a atenção e validarem-se a si próprios. Quando os outros ficam presos nos seus dramas, sentem uma sensação de auto-importância.

Ficam extremamente ciumentos quando damos atenção a outra pessoa, mesmo que não o façamos à custa deles, mas vêem-nos a fazê-lo à custa deles.

4. não têm consciência de si próprios

As pessoas autoconscientes continuam a aprender com os seus erros e a melhorar a si próprias. Uma vez que uma pessoa emocionalmente desgastada satisfaz uma necessidade fundamental de se sentir importante através do seu drama, não consegue ver como isso está a afetar as suas relações.

O resultado é que repetem sempre o mesmo drama e nunca mudam. Tentar fazê-los compreender o que estão a fazer é normalmente um exercício de futilidade.

Veja também: Teste BPD (versão longa, 40 itens)

5. fazem-nos reagir emocionalmente

Não importa quantas vezes diga a si próprio que não se vai deixar levar pelo drama deles, continua a cair na armadilha. Isto acontece porque as pessoas emocionalmente desgastadas têm o dom de provocar reacções emocionais nos outros.

O tom de voz e a linguagem corporal são os mais importantes. O tom pode ser tão acusatório que somos obrigados a defender-nos e a responder da mesma forma. Gritam, fazendo-nos gritar por sua vez.

6) Não admitem as suas faltas

A sua falta de auto-consciência torna-os incapazes de assumir a responsabilidade pelo seu próprio papel nos conflitos. Além disso, quando admitimos os nossos erros e pedimos desculpa, um conflito pode ser encerrado. Eles não querem isso. Querem arrastar os conflitos porque prosperam com eles.

7. têm uma mentalidade de vítima

A sua caraterística é não se responsabilizarem por si próprios, acreditando que são vítimas de outras pessoas e circunstâncias, não se concentrando naquilo que podem controlar.

8. são egoístas

Tudo gira em torno deles a toda a hora. Durante um conflito, concentram-se a laser nos seus próprios problemas e necessidades. Parecem não se importar com as suas necessidades. Querem que sinta empatia por eles, mas não sentem qualquer empatia por si.

9. argumentam de forma ilógica

A tentativa de fazer sentido nas discussões é muitas vezes o fim das discussões. É a última coisa que eles querem. Querem fazer o que podem para prolongar a discussão.

10) Desconsideram os conselhos

Quando oferecemos às pessoas soluções para os seus problemas, elas ficam sem nada para se queixarem. As pessoas emocionalmente desgastadas não querem ficar sem nada para se queixarem. Por isso, desdenham dos conselhos que os outros lhes dão.

Recentemente, uma pessoa telefonou-me a pedir aconselhamento. Ouvi o que ela tinha para dizer e dei-lhe alguns conselhos práticos. A sua resposta deu a entender que os meus conselhos eram de senso comum e o que "os psicólogos costumam dizer".

Ela achava que, porque os psicólogos dizem certas coisas repetidamente, essas coisas não valiam nada. Ela não percebeu que a razão pela qual essas coisas são repetidas é porque funcionam. Mas não, para ela, essas coisas não faziam sentido.

Ela precisava de uma solução especial numa bandeja especial. Ela despreza os conselhos de senso comum porque nunca os implementou e nunca os viu funcionar. Ela nunca os implementou porque quer continuar a ser infeliz.

11. são extremamente exigentes

Com eles, nunca é como se nos pedissem algo, recusássemos e eles dissessem: "Não faz mal". Eles não aceitam um "não" como resposta. Pelo menos, não da primeira vez. Só quando nos arrastam para a lama e nos esgotam com exigências agressivas é que aceitam o nosso "não".

12. são de temperamento curto

É preciso andar com cascas de ovos ao pé de pessoas emocionalmente desgastadas, porque nunca se sabe o que as fará explodir. Como são altamente neuróticas, tendem a tornar as coisas piores do que realmente são.

Veja também: O adulto chupa no dedo e põe coisas na boca

A catastrofização leva à raiva, a raiva leva à contra-raiva, e bum! Estamos novamente em modo de conflito.

13. são manipuladores

Manipulam-nos com emoções poderosas como o medo, a vergonha e a culpa. Culpar os outros é parte integrante do facto de não assumirmos a responsabilidade pelas nossas falhas. Afinal de contas, a responsabilidade tem de ser de alguém. Porque não de nós?

No final de cada troca de palavras acalorada com uma pessoa emocionalmente desgastante, de alguma forma, fica-se com toda a culpa e culpabilidade.

Thomas Sullivan

Jeremy Cruz é um psicólogo experiente e autor dedicado a desvendar as complexidades da mente humana. Apaixonado por compreender as complexidades do comportamento humano, Jeremy esteve ativamente envolvido em pesquisa e prática por mais de uma década. Ele possui um Ph.D. em Psicologia por uma instituição renomada, onde se especializou em psicologia cognitiva e neuropsicologia.Por meio de sua extensa pesquisa, Jeremy desenvolveu uma visão profunda de vários fenômenos psicológicos, incluindo memória, percepção e processos de tomada de decisão. Sua experiência também se estende ao campo da psicopatologia, com foco no diagnóstico e tratamento de transtornos de saúde mental.A paixão de Jeremy por compartilhar conhecimento o levou a criar seu blog, Understanding the Human Mind. Ao selecionar uma vasta gama de recursos de psicologia, ele pretende fornecer aos leitores informações valiosas sobre as complexidades e nuances do comportamento humano. De artigos instigantes a dicas práticas, Jeremy oferece uma plataforma abrangente para quem busca aprimorar sua compreensão da mente humana.Além de seu blog, Jeremy também dedica seu tempo ao ensino de psicologia em uma importante universidade, alimentando as mentes de aspirantes a psicólogos e pesquisadores. Seu estilo de ensino envolvente e desejo autêntico de inspirar os outros fazem dele um professor altamente respeitado e procurado na área.As contribuições de Jeremy para o mundo da psicologia vão além da academia. Ele publicou vários artigos de pesquisa em revistas conceituadas, apresentando suas descobertas em conferências internacionais e contribuindo para o desenvolvimento da disciplina. Com sua forte dedicação ao avanço de nossa compreensão da mente humana, Jeremy Cruz continua a inspirar e educar leitores, aspirantes a psicólogos e colegas pesquisadores em sua jornada para desvendar as complexidades da mente.